sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Centenário da República: fotobiografia de António José de Almeida, quem a conhece?

António José de Almeida, quer se queira, quer não, é (talvez pudesse ser mais ) um ex - libris de Penacova, se assim podemos falar , em termos da história e da cultura política do concelho. O Grande Comício de 1 de Agosto de 1909 em S. Pedro de Alva, a Inauguração dos Centros Republicanos, quer de S. Pedro de Alva, quer de Penacova, o florescimento de jornais republicanos no concelho, as suas passagens por casa de seu cunhado, no Silveirinho ( além de Vale da Vinha ) atestam, entre outros factos, a sua influência e familiaridade com as  gentes que o viram nascer. Os finais do século XIX e as primeiras décadas do Séc. XX são, deste modo,  também no nosso concelho, marcados directa e indirectamente por  esta   importante voz  da ideologia republicana e por este grande actor da Primeira República. Nascido na freguesia de S. Pedro de Alva, estudante em Coimbra foi, desde muito cedo, quer enquanto activista universitário, quer enquanto titular de cargos políticos ( deputado, ministro, “primeiro-ministro e Presidente da República”) ,  uma “ figura tutelar” do republicanismo no nosso concelho.
Penacova honrou-o com a instituição do feriado municipal, evocando o dia do seu nascimento – 17 de Julho de 1866 – e erigiu em sua memória alguma estatuária. Todos sabem que nasceu em Vale da Vinha ( poucos saberão ou sequer se confrangerão com o estado ruinoso em que se encontra a casa que lhe serviu de berço e onde viveu a sua infância). Podemos estar a ser injustos mas a nossa percepção vai no sentido de que existe por parte dos penacovenses um grande desconhecimento da vida e obra desta figura da História de Portugal. Este desconhecimento é visível, por exemplo, quando o turista que chegue a Vale da Vinha se depare com duas lápides, uma indicando o dia 17 de Julho e outra o dia 19 de Julho, como dia do seu nascimento. (1) Os próprios dados biográficos - políticos nem sempre são referidos correctamente. Por vezes se diz que foi Ministro das Colónias (o que está correcto) e esquece-se que nesse período (1916 / 17 ) mais do que ministro, foi, de facto, no chamado Governo da União Sagrada, Presidente do Ministério ( isto é, Chefe do Governo ). Que foi Presidente  da República toda a gente saberá, mas não se vai muito além disso.
Em 2004, foi publicada uma fotobiografia de António José de Almeida, resultante dum protocolo entre a Câmara Municipal de Penacova, o CEIS 20 (Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX), Familiares e o Círculo de Leitores.(2) A obra António José de Almeida e a República: discurso de uma vida ou vida de um discurso foi assinada pelo Prof. Doutor Luís Reis e  distinguida com o prémio de História Contemporânea da Academia Portuguesa de História.
No centenário da República, a obra António José de Almeida e a República: discurso de uma vida ou vida de um discurso assume uma importância ainda maior. Este livro é, pois, um óptimo meio de conhecer melhor a vida e a obra deste nosso ilustre conterrâneo.
Goste-se ou não se goste de História, valorize-se ou não a Memória Colectiva, continuamos a defender que para compreender o Presente é preciso saber alguma coisa do Passado. É assim para as nossa história e identidade pessoal, é assim também para a nossa história e identidade concelhia.
Comemorar os Cem Anos da República poderá passar também pela promoção desta obra, à venda  no Posto de Turismo ou nas grandes livrarias do nosso país.
Um livro para “ver”, uma obra para ler, um texto para reflectir.
David Almeida
___________________
(1) O dia do nascimento de António José de Almeida é apontado como tendo sido o 17 de Julho ( segundo consta da Certidão de Baptismo). No entanto, no site da Presidência da República, aparece o dia 27 de Julho. Esta data também foi divulgada aquando do concurso da RTP “ Os Grandes Portugueses”; o site actual do Centenário  da República regista o dia 18 de Julho, bem como o site da Fundação Mário Soares. Também alguns jornais penacovenses da época falam nesta data. A lápide de Vale da Vinha ( 1975) refere o dia 19 de Julho…Quase que é de colocar a questão: afinal o dia do nosso Feriado Municipal está correcto?
(2) A 2ª edição é da editora Temas e Debates

1 comentário:

  1. Muito bom o texto David, instrutivo e um alerta para fato de valorizarmos nossas raízes e àqueles que nos fazem marcar a História, em especial esse grande homem que não passou somente mas marcou para sempre Penacova na História de Portugal.

    ResponderEliminar