sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Cartas Brasileiras: Para falar de amor

          Agostinho dos Santos, cantor brasileiro, morreu em 11 de julho de 1973, em um acidente no aeroporto de Orli Paris. “O amor está no ar”, foi uma de suas últimas interpretações com relativo sucesso. Há uma famosa apresentação, de 1971, em dueto com Jonnhy Mathis, cantor americano.
Se o amor está no ar, a música é sempre ótima maneira para dele falar. O samba de 1942 “Aos pés da cruz”, de Marino Pinto (1916-1965) e José Gonçalves (1908-1954), lamenta o amor renegado e jurado no altar:
Aos pés da santa cruz/ você se ajoelhou/ e em nome de Jesus um grande amor você jurou/ Jurou, mas não cumpriu, fingiu e me enganou/ Pra mim você mentiu/ Pra Deus você pecou”.
Interpretação: João Gilberto
O poeta Vinicius de Moraes, autor de Garota de Ipanema, com Tom Jobim, em “Soneto da Fidelidade” fala do amor eterno: “Eu possa lhe dizer do amor que tive/ Que não seja imortal, posto que é chama/ Mas que seja infinito enquanto dure ”.
Interpretação: Vinicius, ao piano Tom Jobim
            E morrer de amor! Joaquin Sabina, cantor e compositor espanhol, diz em “Contigo”: el amor cuando no muere mata, porque amores que matan nunca mueren.
            Um grande amor ainda que não único, como em “Tive sim”: um grande amor antes do seu, tive sim, do grande sambista Cartola.  “ E vou calar, porque não pretendo amor te magoar”.
            Interprete: Cartola
           
Paulo Tarso J.Santos – ptjsantos@bol.com.br



domingo, 11 de dezembro de 2016

Quarenta anos depois, recordar as Eleições Autárquicas de 1976 em Penacova


Artur Manuel Sales Guedes
 Coimbra,
 1º Presidente
da Câmara eleito

(foto jornal Nova Esperança)
Foi há 40 anos. As primeiras eleições para as autarquias locais realizaram-se a 12 de Dezembro de 1976. Após o 25 de Abril as Câmaras Municipais foram geridas por Comissões Administrativas nomeadas pelos novos poderes saídos da "Revolução dos Cravos". 
Assim aconteceu em Penacova.  Teófilo Luís Alves Marques da Silva, presidiu aos destinos do concelho até 23 de Abril de 1976 (demissionário desde Agosto desse ano).  Na sequência da demissão da Comissão Administrativa,  José Alberto Costa exerceu funções de Gestor Municipal entre 24 de Abril de 1976 e 31 de Dezembro do mesmo ano.
De acordo com um recorte do “Notícias de Penacova”, as listas candidatas à Câmara Municipal eram encabeçadas por Artur Manuel Sales Guedes Coimbra (Partido Socialista), Daniel Martins Rodrigues (Partido Social Democrata), Francisco Azougado da Mata (Centro Democrático Social ) e António Ralha Ribeiro (Frente Eleitoral Povo Unido - coligação formada pelo PCP, MDP/CDE e pela FSP).
Jornal "Notícias de Penacova"
Venceu a lista do Partido Socialista sendo eleito, para a Presidência da Câmara, Artur Coimbra, médico. A presidir à Assembleia Municipal ficou outro médico, Eurico Almiro Meneses e Castro. 
Recordemos também os presidentes de Junta eleitos. CARVALHO: Graciano Carvalho, PSD; FIGUEIRA: Alípio Simões Marques, PSD; FRIÚMES: Adelino Gaspar, PS; LORVÃO: João Carvalho da Silva, PS; OLIVEIRA: Adosindo Duarte Oliveira, PSD; PENACOVA: Vasco Pedro da Silva Viseu, PS; S. PEDRO DE ALVA: Luís Martins Morgado, PSD; SAZES: Manuel Fernandes, CDS e TRAVANCA: José Oliveira Henriques, PS.
A nível nacional (304 concelhos) o PS empatou com o PSD, tendo cada um destes partidos ganho 115 Câmaras.  O PCP assumiu 37 municípios, o CDS 36 e o PPM um.
Folheto informativo da Comissão Nacional de Eleições 

Jornal "Notícias de Penacova"

domingo, 4 de dezembro de 2016

Cartas Brasileiras: almôndega na banha


Só pode, antigamente os porcos eram mais saudáveis; ainda que porcos.
Hoje parece pecado mortal saborear uma lasquinha de costela. Cuidado com o colesterol!
Eu me lembro bem, era menino. Papai comprava peças do porco, desossava, separava as partes mais gordurosas, moía, punha na panela e levava ao fogo.
Sobravam gordura derretida e torresmo. A gordura apartada e guardada virava banha. O torresmo no arroz ou os pedaços à “pururuca” era de matar, não pelo colesterol, pela delícia.
Somente uma pesquisa científica poderá demonstrar, mas acredito, os suínos de antigamente não tinham colesterol, pelo menos não tanto; meus avós e pais que o digam.
Na lata de banha, mergulhavam almôndegas fritas (bolinhos de carne, porpetas), para que, no dia a dia, pegas com a concha, fossem aquecidas na frigideira, na hora do almoço ou jantar, tudo no fogão a lenha; quem sabe o fogão a lenha eliminasse o colesterol.
Que tempos aqueles.
É, nem tudo se podia. Leite com manga era um veneno. Ou um, ou outro. E mais, fígado e moela eram a mesma coisa; todo mundo queria o fígado.
                                                                                                              Paulo Tarso J Santos
Post scriptum: Desde já quero deixar registrado meu abraço e votos de Feliz natal e ótimo 2017 ao amigo e aos leitores do blog e seguidores do Facebook.