domingo, 2 de novembro de 2014

Cartas Brasileiras: Bons Dias! Bom Mês!

Bons dias!

Assim Machado de Assis iniciou algumas de suas crônicas publicadas na Gazeta de Notícias, entre abril de 1.888 a agosto 1.889; isso mesmo, no plural, e por manter contado apenas semanal com os leitores, deseja a todos “bons dias”.
Em uma delas, justificou o cumprimento — “Hão de reconhecer que sou bem criado. Podia entrar aqui, chapéu à banda, e ir logo dizendo o que me parecesse; depois ia-me embora, para voltar na outra semana”.
A saudação inicial em uma chegada ou aproximação, além de polidez, revela nossa cordialidade e apreço. Um “bom dia” recebido de um amigo, quando sabemos das dificuldades que teremos que enfrentar, pode ser o conforto ou força de que tanto necessitamos; quer melhor para começar o dia!
No Vale do Ribeira, terra do meu pai, mantendo até hoje um antigo costume, no primeiro encontro diário com os pais, as pessoas ajuntam as mãos, como se fossem rezar, fazem um leve aceno com a cabeça, e dizem: “bença, pai! bença mãe!” Repetem o gesto ao  final do dia antes de ir para a cama. 
De volta às crônicas de Machados de Assis, aquelas dos “Bons Dias” ele as assinava usando o pseudônimo Policarpo, apresentado como um relojoeiro que havia se desencantado com a profissão.
E eu estou aqui a falar de relógio, eu que sequer use um,  não porque não me prenda ao tempo e nem dê valor a ele; não. É que contando fazendo as contas nas pontas do dedos, vi que minha mãe se viva fosse teria feito 101 anos, e que o tempo levou meu pai já há sete anos, privando-nos para sempre de ouvir o som de sua clarineta.
Então busco consolo escutando “Beguin the Beguine”com Artie Shaw e Orquestra. Ao som da música digo: “Bença pai, bença mãe!”
E  para você leitora ou leitora: “Bom mês!”



 (clique na imagem)

P.T.Juvenal Santosptjsantos@bol.com.br


Obs: crônica reescrita, original publicada 03/08/2010 em O Diário de Barretos