quinta-feira, 26 de maio de 2016

Penacovense recordado na Lápide Memorial do Regimento de Infantaria 5 nas Caldas da Rainha

Vai fazer no próximo dia 10 de Junho três anos que foi inaugurado em Penacova um Memorial em homenagem aos Combatentes na Guerra do Ultramar na sequência da criação da Associação dos Combatentes, em 2011. Numa pesquisa sobre este tema cruzámo-nos com uma referência  a este soldado penacovense morto em combate em 1961.


"Albino da Silva Martins, Soldado Atirador n.º 921/60, natural de Boas Eiras, da freguesia e concelho de Penacova, mobilizado pelo Regimento de Infantaria 5 para servir na Região Militar de Angola, integrado na Companhia de Caçadores 116 do Batalhão de Caçadores 114.Tombou em combate no dia 16 de Agosto de 1961. Está sepultado na campa 3-3 do talhão militar no cemitério de Sassa, em Angola.
O seu nome consta numa Lápide Memorial no Regimento de Infantaria 5 - Caldas da Rainha (agora «Escola de Sargentos do Exército»), com os seguintes dizeres: «PRESTA HOMENAGEM AOS HERÓIS DO R.I.5. CAÍDOS EM DEFESA DA PÁTRIA».


Embarcou no NTT "Niassa" – largado de Alcântara (Cais da Rocha do Conde de Óbidos) no domingo 28 de Maio de 1961 e acostado ao porto de Luanda às 08:00h da 6ªfeira, 9 de Junho de 1961  – e fez parte do terceiro grande contingente de tropas destinadas a reforço da guarnição normal da Região Militar de Angola."


No talhão militar deste cemitério de Sassa está
sepultado na campa 3-3 Albino Martins
(foto recente)
Conseguimos apurar que estão sepultados em Bissau: Adelino Costa, Adosindo Brito e Manuel Benardes; em Nampula, Carlos Neves; em Teixeira de Sousa, Floriano Silva; em Mariano Machado (sep. perp.), Leonel Rosas; nas freguesias de naturalidade: Arménio Alves, Fernando Pinto, Henrique Cabral, José Carvalho, Manuel Vilas e Manuel Tomé.


______________________

Em breve no Penacova Online: Tenente Coronel Almeida Brito primeira vítima mortal do míssil STRELLA


sexta-feira, 20 de maio de 2016

Obras no Mirante

Foto de Óscar Trindade, publicada hoje no Facebook

"As obras do Mirante do Castelo, construção do Belveder, prosseguem com a maior actividade  e é de crer que, se o tempo permitir, muito brevemente estejam concluídas, pois todos os penacovenses se interessam deveras por aquele melhoramento.
O Sr. Presidente da Câmara Municipal deste concelho, Ex.mo Sr. Dr. José Albino Ferreira, tem sido verdadeiramente e notavelmente incansável e ninguém pode por em  dúvida que a realização de tal melhoramento importantíssimo é em grande parte devida àquele cavalheiro.
Que o tempo o auxilie são todos os nossos desejos, porque do auxílio dos habitantes de Penacova estamos certos de que não duvida um só momento.
Segundo nos consta foi já tirada pelo hábil fotógrafo amador António Carlos Pereira Montenegro, uma fotografia das obras, para ser remetida ao Ex.mo Sr. Conselheiro Manuel Emídio da Silva, cavalheiro altamente apaixonado pelas belezas da nossa terra e que confessa uma verdadeira simpatia por todos o seus habitantes ao qual muito e muito se deve a construção do referido Belveder, afim de ver o seu adiantamento."

Jornal de Penacova, 31 de Dezembro de 1907.

Observações: Como se sabe a inauguração viria a ter lugar no fim de Maio de 1908, dando lugar a destacada notícia de âmbito nacional, no Diário de Notícias. Este jornal publicou mesmo um pequeno destacável que intitulou "As Festas de Penacova".
O termo belveder vem do italiano "belvedere", com o significado de terraço, ponto elevado de largo horizonte, miradouro, mirante.
O projecto desta obra é atribuído a Nicola Bigaglia (1841 - 1908) arquitecto, aguarelista e escultor de origem italiana que se radicou em Portugal em 1888.
Foi professor na Escola Industrial de Leiria e na Escola Industrial Afonso Domingues. Regressou já doente a Veneza, onde faleceu em 1908.
Entre os seus inúmeros projectos arquitectónicos, destacaríamos a Casa dos Cedros, no Buçaco, Convento da Portela (Leiria), Lisboa, Palácio Lima Mayer e Palácio Lambertini (Lisboa), Palácio Vale Flor (Porto) e Teatro D. Amélia (Setúbal).





domingo, 15 de maio de 2016

Homero Pimentel (II): esboço biográfico


Busto de Homero Pimentel
ontem inaugurado na Pérgola Raul Lino


 Imagens: Penacova Online / David Almeida







Homero António Daniel José Pimentel nasceu em Penacova no dia 19 de Maio de 1914.
Em 1932 ingressou no Seminário de Évora. Passados 3 anos veio para o Seminário de Coimbra, onde esteve até 1937, ano em que abandonou os estudos eclesiásticos e passou a frequentar o Ensino Universitário.
Em 1942 concluíu o Curso de Filologia Clássica.
Iniciou a sua carreira pedagógica no ano de 1942/43 em Sangalhos (Colégio Novo).
Nos anos seguintes leccionou no Norte do País e em Tomar e Pombal.
Terminado esse périplo de cerca de seis anos, fundou em Arganil, em 1948,  o Externato Alves Mendes. Aí se manteve como Director e Professor até 1970. Entretanto em 1963 havia adquirido em Penacova o Externato Príncipe das Beiras, onde acabaria por leccionar em 1970/71.
A partir daí passou a ser professor do Ensino Oficial. Permaneceu em Penacova, na Escola Preparatória, durante sete anos. Voltou a Arganil durante um ano e passou depois por Tábua, onde ao fim de 5 anos, se aposentou por limite de idade (1984).
Do seu casamento com Beatriz Odete Mendes Pimentel teve 3 filhos: Luís Filipe Mendes Pimentel, Armando Jorge Mendes Pimentel e Duarte Nuno Mendes Pimentel.
Faleceu no dia 11 de Fevereiro de 1987. Jaz no cemitério da Eirinha em Penacova.

sábado, 14 de maio de 2016

Homero Pimentel:marcas do Homem e do Pedagogo

Foto da 1ª página do jornal
A Comarca de Arganil (2005)
Homero António Daniel José Pimentel, filho de José Augusto Pimentel nasceu em Penacova em 1914. Concluiu a sua formatura em Letras (Filologia Clássica) em 1942. Leccionou em Vila do Conde, Tomar, Torres Novas e Pombal.
Em 1948 fundou em Arganil o Externato Nossa Senhora do Montalto em sociedade com um colega mas acabando por sozinho assumir a direcção, agora com o nome de Externato Alves Mendes (em homenagem a Alves Mendes, figura eminente da cultura nacional, penacovense, natural da Chã e familiar da sua mulher Beatriz Pimentel), com a valência de internato, onde acorreram alunos vindos dos mais diversos pontos do país, atraídos pela fama que o colégio angariara entretanto.
Placa Toponímica em Penacova (2008)
Em 1958/59 é inaugurado um novo edifício “o  colégio novo”, onde em 1970 passaria a funcionar o Ciclo Preparatório da responsabilidade do Estado.
Também em Penacova a ele se devem o Externato Nossa Senhora da Esperança e posteriormente o Externato Príncipe das Beiras. 
Numa das muitas homenagens que lhe têm vindo a ser feitas, disse o Engº Celestino Quaresma que ”naquele tempo, quando o país mergulhava  em densas trevas no que respeita à formação escolar, à cultura e às condições de vida das populações, nos concelhos de Penacova, Arganil e Vila Nova de Poiares, podemos dizer que os Externatos N. Sª da Esperança e Príncipe das Beiras (em Penacova) e Externato Alves Mendes em Arganil, foram a luz que começou a iluminar essas trevas”.
Placa Toponímica em Arganil (Foto Comarca de Arganil)

Lápide na Mata da Misericórdia em Arganil
(Foto Comarca de Arganil)

Busto em Arganil
(Foto Comarca de Arganil)

Por sua vez, em Setembro passado, José Dias Coimbra, referiu que “são ainda visíveis os traços da personalidade de Homero Pimentel, traduzidos nos discípulos que passaram pelas suas mãos, beneficiando de um modelo de ensino assente na procura constante do conhecimento”. “Detentor de um discurso cívico e humanista” - acrescentou na mesma ocasião, Assumpta Pimenta Coimbra.
Em 1983 foi agraciado pela Câmara Municipal de Arganil enquanto “pioneiro do ensino secundário em Arganil e Região” e nesta vila tem também um busto e o nome de uma rua.
No Penacova Actual de 26 de Abril passado, a propósito da homenagem que por esta hora já está a decorrer,  escreveu também Luís Pais Amante: “ O Dr. Homero era um homem do povo, com origem numa família muito humilde e, o certo, é que esse mesmo povo nunca se esqueceu dos que lhe pertencem”. E adianta: “ Foi um visionário no seu tempo e , sem posses para tanto, investiu tudo o que tinha e, pessoalmente , o que não tinha, para poder ensinar e fez isso mesmo em Penacova e Arganil”.


Comarca de Arganil, 2005




Em 2008 por iniciativa da Junta de Freguesia de Penacova, presidida por Luís Amaral, a artéria até aí designada por Rua das Escolas passou a ter o nome do professor e pedagogo responsável pela criação do Externato Príncipe das Beiras, que deu origem ao que é hoje o Agrupamento de Escolas de Penacova. Referiu Luís Amaral: «Foi uma pessoa que aprendi a admirar pela sua nobreza de carácter». Mas «Homero Pimentel merecia mais» -acrescentou- “por isso este pode ser o ponto de partida para que «os jovens saibam melhor quem foi este homem». Hoje, 14 de Maio de 2016 aí está mais um passo: a inauguração do Busto de Homero Pimentel na Pérgola Raúl Lino (próximo da antiga Pensão Viseu) da autoria de Albano Martins. 
Comarca, 2015

Comarca, 1968

Comarca de Arganil, 2015

Comarca de Arganil, 1983

Comarca de Arganil, 1942

Notícias de Penacova, 1952

Comarca de Arganil 2008



Também nesta ocasião, Celestino Quaresma, antigo colega do «grande mestre», reafirmou que «levava a exigência às vezes ao exagero» mas «ensine-se o que se ensinar, que seja com a ideia de que é preciso esforço e exigência», tal como o fez Homero Pimentel.
Ainda nessa Cerimónia, do lado dos antigos alunos, Luís Amante afirmou que aquela era uma homenagem «há muito tempo devida», adiantando que  «A toponímia das terras tem de representar as pessoas que, de alguma maneira, passaram acima dos normais mortais», e lembrando que Arganil, por onde Homero Pimentel também passou, «há muito o homenageou», pelo que o acto de atribuir o seu nome àquela artéria «é de elementar justiça». Luís Amante recordou não só as suas qualidades enquanto professor e pedagogo, mas também enquanto «empresário», quando geria o externato e esperava muitas vezes pelas prestações dos pais que não conseguiam pagar.
Maurício Marques, à data Presidente da Câmara, recordou que terá sido “um dos mais novos alunos ali presentes”, mas tendo conhecido bem aquele que foi “um ilustre professor e um homem honesto». Congratulando-se com o «arrojo» do homenageado ao «lançar as sementes para o ensino de qualidade em Penacova». 

Consultando neste momento o site da Câmara Municipal de Penacova podemos ler que “Humberto Oliveira, presidente do município de Penacova, que, desde o primeiro momento se associou aos antigos alunos, realça que esta é uma homenagem extremamente justa, destacando as excelsas qualidades do pedagogo e humanista que desempenhou um papel de extrema relevância na educação de muitas gerações de jovens que viviam em Penacova, Vila Nova de Poiares, Arganil ou Tábua. Num tempo em que Portugal possuía sérias deficiências no que respeita à formação escolar, à cultura e às condições  de vida das populações, Homero Pimentel, assumiu um papel determinante, dando asas a muitos alunos desses concelhos e permitindo-lhes, através do acesso à formação escolar e à cultura, voar mais alto, alcançando objectivos que de outra forma teriam sido talvez impossíveis.”

sábado, 7 de maio de 2016

A terra tremeu em Carvalho

No dia 1 de Novembro de 1755 a terra tremeu em Portugal, com maior violência em Lisboa, mas por todo o país se verificaram inúmeros estragos com diversos níveis de gravidade.

Em Carvalho o abalo foi sentido seriam nove e meia da manhã. “Senti o primeiro tremor de terra, o qual durou meio quarto de hora, ou pouco mais, posto que com alguns muito pequenos intervalos”- escreveu o Prior Sebastião Soares D’ Eça. “O impulso foi como do centro da terra para o ar e não de um para outro lado.”- acrescenta.



Pormenor do documento existente no arquivo
nacional da Torre do Tombo



Recorde-se que a maior parte da informação acerca do sismo nos chegou através do inquérito realizado aos párocos das várias freguesias, cujas respostas foram compiladas no chamado Dicionário Geográfico de Portugal, elaborado pelo padre Luís Cardoso. O “interrogatório” compunha-se de três partes e pretendia saber as consequências do terramoto: a que horas principiou e o tempo que durou; se se percebeu que o impulso fosse maior do lado norte ou do lado sul; que número de casas arruinou em cada freguesia; se havia edifícios notáveis e o estado em que ficaram; que pessoas morreram e se alguma era distinta; que alterações se viram no mar, nas pontes e nos rios; se a terra abriu algumas bocas, o que nelas se notou e se surgiu alguma nova fonte; que providências se deram imediatamente em cada lugar pelo eclesiástico, militares e ministros; se aconteceram outros terramotos depois do acontecido no primeiro de Novembro; se havia memória de outros terramotos; que número de pessoas, de cada sexo, tinha cada freguesia; se houve falta de mantimentos; se houve incêndios, o tempo que duraram e os danos que fizeram.

Nesta freguesia “não houve ruína alguma total”, mas sabe-se que muitas casas apresentavam “notável ameaça de ruína” com “grandes brechas” e “falta de prumo”. De referir que das fontes saíram águas turvas. Diz ainda o Prior que “Nas paredes destas casas em que vivo” eram visíveis algumas “brechas quase da largura de dois dedos”. Em Carvalho “Não se experimentou falta de mantimentos, nem houve incêndio algum”.

Os abalos telúricos não se restringiram ao dia de Todos os Santos. “Aos quarenta/quarenta e um dias depois, pelas quatro horas depois da meia noite” ocorreu um segundo tremor de terra “que durou o espaço de doze minutos e com menos violência”. De treze para catorze de Janeiro sentiu-se um terceiro abalo “pela uma hora depois da meia noite, já com menos duração e força que o segundo”. É referido ainda um quarto, com “muito menos abalo” a 6 de Março pelas 8 horas da manhã.

À semelhança do que aconteceu por todo o país , também aqui se organizou uma “procissão pública”, e outros actos “penitênciais” como forma de “aplacar a Ira de Deus Senhor Nosso”. Recorde-se que a partir do dia 1 de Novembro, a Igreja Católica organizou uma série de procissões e também penitências para, precisamente, “aplacar a fúria divina”. O patriarcado de Lisboa terá mesmo criado uma oração dos terramotos que terminava com a seguinte prece: “(...) vos pedimos, que nos livreis dos tremores de terra, e nos conserveis sempre no verdadeiro temor e tremor do vosso santíssimo Nome, até à hora da nossa morte, Ámen”

O referido inquérito, mandado elaborar pelo Marquês de Pombal, tinha um prazo limite de resposta, sob pena de sanção para quem não o cumprisse ou decidisse não responder. Num texto distribuído na diocese de Coimbra, a pedido do Bispo, D. Miguel da Anunciação, dizia-se o seguinte:“ Fazemos saber que Sua Majestade é servido que Vossa mercê distintamente responda aos Interrogatórios seguintes e que nos mande a sua resposta, para nós a pormos na Sua Real presença, o que Vossa mercê fará dentro do espaço de um mês, aproveitando-se desse tempo para conferir os pontos duvidosos com pessoas inteligentes e peritas, que comuniquem a Vossa mercê a luz necessária para o acerto”





Carvalho, 28 de Abril de 1756
O Prior Sebastião Soares D'eça


No texto remetido em resposta, refere-se também existirem 325 indivíduos do sexo masculino e 359 do sexo feminino. Tem a data de 28 de Abril de 1756 e está assinado, como referimos, pelo Prior Sebastião Soares D’ Eça.

OBS: Nem de todas as freguesias do concelho de Penacova existem as respostas ao referido inquérito, no entanto as que se conservam e que foram por nós consultadas permitem extrair elementos não só curiosos como de valor histórico..


sexta-feira, 6 de maio de 2016

Fim do Mundo em Lorvão / Apontamentos para a compreensão do Apocalipse

Os Comentários ao Apocalipse constituem um conjunto de cópias de um texto elaborado por Beatus (séc. VIII) um monge do mosteiro de Liébana (província de Santander-Espanha) nos Montes Cantábricos.
   
Representação da mesma cena no Apocalipse de Lorvão (esq.)
e no Apocalipse da Catedral de Burgo de Osma
À semelhança de muitos dos seus contemporâneos, Beatus vivia obcecado com o fim do Mundo, que deveria chegar, segundo se julgava, no fim da sexta idade, ou seja, no ano 6 000 da criação do Mundo, que coincidiria com o ano 800 depois de Cristo.
Mais tarde, já depois da sua morte, o facto de esta data ter passado sem que o mundo tivesse acabado levou outros autores com a mesma mentalidade a fazerem novos cálculos. Um novo recrudescimento da expec­tativa apocalíptica ocorreu nas vésperas do ano 1 000, que se prolongou ainda depois durante algumas décadas. Convencido que o Mundo iria acabar em breve, o monge de Liébana fez um comentário ao Livro do Apocalipse (um dos Livros da Bíblia), o qual  teve um enorme sucesso durante vários séculos, mas sobretudo até meados do século XI,  suscitando a proliferação de cópias diversas,  “profusamente” ilustradas (ou “iluminadas”). Através da imagem se mostravam as convulsões e catástrofes que iriam anteceder o regresso de Cristo no fim dos tempos, que estaria para breve, assim se pensava. Estes desenhos inspiraram novas representações, “que proliferaram com as suas variantes, qual delas mais dramática e impres­sionante, como que para, na sua materialização dos monstros, da crueldade e da violência, se libertarem catarticamente do medo da morte.”
Impressionam, de facto, as suas cores berrantes, a estilização dos gestos, a firmeza do desenho e sobretudo o tipo de cenas que exprimem o mundo sobrenatural. A preferência dos iluministas vai para a representação de uma solene liturgia em torno de Cristo, vista à imagem e semelhança das gran­des festas do calendário cristão ou das cerimónias da corte régia, as cenas de  batalhas cheias de cadáveres, de sangue e de crueldade, o espectáculo dos julgamentos, com os tormentos aos acusados e as condenações à morte, os monstros, que exprimem o absurdo da violência e da destruição.
O que mais abundam são estas cenas dramáticas. Nalgumas, porém, elas contrastam com cenas da vida quotidiana, para a representação da qual se escolhe de preferência, a ceifa do trigo, a vindima, o trabalho do lagar e, nalguns casos, a tarefa dos escribas numa biblioteca monástica, e também o homem, a mulher ou o casal a dormirem na sua cama. O terror espreitava o homem em qualquer situação. Os iluministas ímaginavam a perturbação e o medo de quem trabalhava ou dormia tranquilamente e era  surpreendido pela vinda repentina do inimigo. Embora o pretexto das representações gráficas do terror seja a antevisão do fim do Mundo, é evidente que se trata nos “apocalipses” de representar uma ameaça constante. Não tanto o medo da morte individual mas da morte colectiva, como, de resto, acontece no próprio texto do Apocalipse.
A vida quotidiana estava ameaçada pela catástrofe. Os anjos exterminadores, com as suas foices afiadas, vindimam as uvas maduras da vinha terrena. (Cf. Apocalipse,14:14-20) Os camponeses trabalhavam tranquilamente na vindima, na ceifa e no lagar, sem saberem que seriam em breve, surpreendidos pela morte. As iluminuras aí estavam para os lembrar que, conforme a insistente pregação da época, a iminência da morte era uma pesada ameaça.
A representação da vindima, da ceifa, do lagar, é muito frequente. Por exemplo, no Apocalipse da Catedral de Burgo de Osma, com data de 1086, encontramos uma cena muito semelhante à que o Apocalipse de Lorvão apresenta. Vários estudos têm vindo a fazer essa análise, em particular, bem como toda a carga histórica e cultural que este documento transporta. Não é, pois, por acaso, que o exemplar feito em Lorvão foi recentemente declarado Memória do Mundo pela Organização das Nações Unidas para a Eucação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reconhecendo-o como um dos "mais belos documentos da civilização medieval ocidental".
.
Fonte principal deste texto: História de Portugal (1 volume - Antes de Portugal),  Dir. de José Mattoso, Círculo de Leitores.