sexta-feira, 21 de março de 2014

Récita em Sábado de Aleluia e outras histórias sobre Teatro em Penacova

Já, por diversas vezes,  fizemos referência às crónicas IN ILLO TEMPORE assinadas por Zé do Mirante. Desta feita, é um texto publicado em 1952 no Notícias de Penacova que nos fala da tradição teatral na vila, tema que abordámos recentemente. Espaços, pessoas, vivências culturais que nos transportam à Penacova dos finais do séc. XIX.

"Pequenino, mas um amor de elegância"

“O teatro era onde hoje está instalado o posto da GNR. Pequenino, mas um amor de elegância. Além da plateia tinha um balcão, em forma de lira, unicamente reservado às senhoras. Havia somente um cenário, de duas faces-um pobre, outro rico; o pano de boca era pesado, mas da leveza do coração para os penacovenses – era o panorama de Penacova, vista da Cheira, pintada pelo artista António Eliseu; do mesmo era o cenário e toda a decoração do teatro, do qual não era estranha a a sensibilidade e delicado gosto do Sr. Joaquim Carvalho.
Não havia mobiliário próprio; mas em dia de récita não faltava no palco a mais insignificante parcela decorativa ou indumentária dos figurantes. Com orgulho se poderia afirmar que o nosso teatrinho não envergonharia qualquer vila provinciana.
Teve três fases - uma brilhante, outra sombria e outra de escuridão.
Nos dois primeiros períodos, passaram por ali artistas de Lisboa em digressão pela província e companhias ambulantes, que davam duas ou três récitas; uma houve que esteve nesta vila quase dois meses, dando dois espectáculos por semana e sempre casa à cunha.
"O Morgado de Fafe" foi uma das peças
representadas em Penacova por pessoas da terra.

Nesta foto: João Guedes, Alda Rodrigues e Ruy Furtado em “O Morgado de Fafe Amoroso”*, de Camilo Castelo Branco, com encenação de António Pedro (TEP 1958). Fotografia de Fernando Aroso

Ali se representou o Santo António, a Senhora da Nazaré, Inês de Castro, Filha do Saltimbanco, Morgadinha de Vale Flor, Burro do Sr. Alcaide, Gaspar Serralheiro; dramas e comédias então em voga e pelos amadores de Penacova o Morgado de Fafe (lembram-se de D. Raimunda, D. Maria de Melo e Sr. Alipinho? ). Foi nesse período brilhante que se notaram vocações e habilidades de amadores locais. Destacamos José Oliveira, pai do Dr. Aristides, candidato a Medicina e ao Matrimónio…
Aquele amador, logo que pisava o palco, sem dizer uma única palavra, desarticulava os espectadores, com um nunca acabar de rir! Personagem labrego ou agalegado, tinham em José Oliveira uma graça, um cómico tal, que algumas vezes descia o pano, findava a peça sem ele poder dizer o seu recado! Tentava-se o prosseguimento mas o público não se continha…e era ele que representava a rir, enquanto o José Oliveira no palco, somente com um simples gesto…era o espectador!
Foi no período da escuridão, com o teatro há anos fechado, aos ratos, às aranhas, ao pó, que num final de patuscada de chouriços e ovos, tirados a cantar as Janeiras pelos Reis, que o António Dias lamentava o abandono a que estava votado o teatro-escola de educação e recreio. Logo ali se constitui uma companhia para animar a Arte e para distracção do povo, já familiarizado como o borralho, a má-língua dos soalheiros ou a fatídica taberna.
O grupo compunha-se de António Dias, José Alves, Pinheiro, Augusto (o Pilica), Alípio Flórido, Duarte Mamede, J. R., Maria, Júlia, Laura e…não me recordo de quem mais. Com excepção do primeiro, todos os outros nunca tinham pisado o palco e, da Nobre Arte, só conheciam a dos saltimbancos, ao ar livre do Terreiro, pelo preço de 5 reis, ou pela fuga a tempo de beber um golo de água fresca da fonte…enquanto durava o peditório. Eu já era familiarizado com o meio teatral, por um dia ser encarregado de receber os bilhetes que davam acesso ao balcão…
Imediatamente a nova companhia se responsabilizou com o senhorio pela s rendas em dívida e logo no domingo seguinte ao dia de Reis – há mais de 50 anos – se tiraram as teias de aranha e se fez limpeza geral, ficando tudo como um brinquinho, procurando cada um fazer mais e melhor. Bons tempos!
Escolheram-se peças e figurantes e com o entusiasmo que a mocidade é capaz, se resolveram dificuldades e se iniciaram os ensaios de forma a dar-se a primeira récita em sábado de Aleluia.(...)"

*Quatro anos após o sucesso público d’O Morgado de Fafe em Lisboa [1861], e no contexto de assombrosa operosidade criativa, Camilo Castelo Branco publica uma nova comédia de costumes com o mesmo protagonista, O Morgado de Fafe Amoroso [1865], comédia em três actos, cuja acção decorre agora na Foz do Douro, em 1862. 

domingo, 16 de março de 2014

As Bruxas do Reconquinho

"Numa noite enluarada as bruxas pegaram uma
barca do Reconquinho e foram de abalada até à Índia"

A obra Portugal Lendário – Tesouro da Tradição Popular, de  José Viale Moutinho, publicada em 2013 pelo Círculo de Leitores, inclui a lenda “As bruxas do Reconquinho”.  Em 2008, o relatório de Gestão da  Câmara Municipal regista que a Unidade de Acompanhamento e Coordenação (UAC) dinamizou uma Feira à Moda Antiga com animação de rua subordinada ao tema “As bruxas do Reconquinho vão à India”. Já Martins da Costa, no jornal Nova Esperança, havia recordado esta história. Além de grande pintor, foi também um grande escritor. Ninguém melhor do que ele para recontar esta lenda. Assim, das suas crónicas "Ao Correr da Pena” (Novembro de 1987), passamos a transcrever:

AS BRUXAS DO RECONQUINHO

Conta a tradição que, numa noite enluarada as bruxas pegaram uma barca do Reconquinho e foram de abalada até à India.

Isto passou- se no tempo em que o rio Mondego era sulcado por grandes barcas chamadas «serranas», que iam do Parto da Raiva à Figueira da Foz transportavam produtos, destinados ao comércio da zona ribeirinha.

A vida do rio tinha pois uma grande importância para as populações que em grande parte dele dependiam e as lendas e narrativas a que dava origem eram muitas.

Era ainda o tempo, das gentes de poucas letras ou nenhuma que, pela transmissão oral, contando e recontando à lareira nas longas noites de inverno, estabeleciam a memória dos tempos idos.

E, enquanto os dedos se afadigavam nas rotineiras tarefas de fiar a lã ou de com ela confeccionar as grossas meias e camisolas destinadas aos barqueiros, lá vinha o pedido de mais uma história, geralmente contada pela pessoa mais idosa do grupo.

E foi assim que, ouvida pela minhas bisavó e contada à minha avó e depois por esta de novo aos filhos o pela minha mãe a mim o aos meus irmãos que, esta história de bruxas, objecto desta crónica o ainda a outras de fadas e lobisomens chegaram ao meu conhecimento, povoando de imagens fantásticas os sonhos da minha infância.

Era no tempo em que ainda havia bruxas e que, aqui em Penacova, segundo reza a tradição, era coisa que não faltava. Não era bruxa quem queria e os membros eleitos auferiam direitos sociais importantes:  cair em desgraça, relativamente à bruxa, era mal que ninguém queria já que, dum simples mau olhado ou de  mistela preparada com os mais estranhos ingredientes, com rezas e defumadoiros à mistura, grandes desgraças poderiam advir.

O Reconquinho, curva do rio bem conhecida de todos os que aqui vivem ou vêm passar as férias de verão, era pelos vistos, um dos locais habitualmente frequentados por essas «mulheres de virtude» como também eram designadas. Um pouco mais adiante ainda hoje existe uma velha casa, ponto de referência obrigatória e mencionada como a “casa da bruxa».

Os barqueiros, pelo que se infere da lenda, também ali faziam local de amarração e pernoita e assim, numa noite de lua cheia, uma das barcas foi desamarrada com todas as cautelas e com artes de bruxedo, transportada até à Índia distante, onde as bruxas nessa noite tinham encontro marcado.

A bordo da nave, e ignorado, ia o barqueiro que nessa noite ali dormia num dos arrumos da proa e que, só  muito longe e já no mar alto, deu pela insólita viagem em que também era participante.

Cheio de medo, como é de calcular, para ali se deixou ficar encolhido, assistindo multo admirado a tudo o que se passou e que viria a contar no outro dia de manha quando as bruxas, com as mesmas cautelas da noite anterior deixaram a barca amarrada no Reconquinho.

O difícil foi fazer-se acreditar pois, coisa assim nunca se vira. Mas, para comprovar o que afirmava, lá estava, na sua barca um bonito ramo florido que, às escondidas,  apanhara , na praia onde as bruxas tinham feito os seus bailados e que, tão bonito e tão diferente, nunca fora visto nestas terras.

0 nome das bruxas, esse nunca o mencionou pois, ao que consta  foi ameaçado de morte. Mas, à boca fechada, passaram a ser apontadas certas mulheres que, pela forma isolada como viviam e sobretudo pelo fogo do seu olhar, bem podiam ser algumas dessas tais, das que por artes de magia eram capazes  de numa barca serrana  fazer, numa só noite, uma viagem de ida e volta à Índia.

E ainda outras coisas mais em que, só o pensar nelas, até nos causam arrepios.

É que, como o outro, «eu cá não acredito em bruxas, mas que existem, lá isso é verdade!...

Martins  da Costa

sexta-feira, 7 de março de 2014

Cartas Brasileiras: notas para a história da emigração penacovense para o Brasil

Capitão Arthur Cocks

Durante algum tempo persistiu a dúvida: de qual navio Maria Castanheira, da região de Penacova, e seus dois filhos (Lucília, minha sogra, e Orácio) desembarcaram em Santos no dia 6 de março de 1934. Apenas para recordar, escrevi na “carta” anterior, que no Passaporte de Desembarque constavam os carimbos de dois navios “Highland Brigade”  e  “Ruy Barbosa”.

Navio "Ruy Barbosa"  
A dúvida não existe mais. Conforme certificado, emitido em 29/01/2014, a meu pedido, pelo Arquivo Público do Estado de São Paulo, consta que chegaram pelo navio Highland Brigade, que integrava o Royal Mail Lines (Linha de Correios do Reino Unido). Diz ainda o Certificado que o navio estava sob o comando do Capitão Arthur Cocks, e que a bordo estavam  todos sob os cuidados médicos do Dr. Ernest Leach.
Ainda que nem todos os desembarques com suas listas tenham sido digitalizados ou disponibilizados para pesquisa, os arquivos digitais do Museu da Imigração   http://museudaimigracao.org.br/acervodigital são importante fonte de informação e bases para pesquisa. Tendo isso em mente, encontrei que o último desembarque do Cap. Arthur no porto de Santos se deu no dia 11/08/1940.
Acredito que a última viagem deve ter sido mesmo por volta dos anos 40, porque o Capitão aposentou-se em 1943, como comodoro, graduação na marinha de guerra inglesa, acima de capitão-de-mar-e-guerra e abaixo de contra-almirante.  Certamente, o Capt. Arthur Cocks elegantemente vestido, charmosamente fumando seu cachimbo, surgia na noite do Jantar com o Capitão, ostentando as honrosas condecorações na lapela:

Este segundo conjunto corresponde a várias condecorações recebidas por ter participado da Segunda Guerra.

A Gazeta de Londres, do dia   8 março de 1918 destaca a recomendação para honras recebidas em 31/12/1917,  assinado pelo comandante do 7 º Destroier: "Um funcionário zeloso e capaz, que tem estado desde o início da guerra, comandando, sucessivamente: " Earnest "," P-52 "e" Rother. " Atua com o seu navio com cuidado e habilidade; foi mencionado nos despachos em outubro de 1916, e é novamente recomendado pelo bom trabalho, e recomendado para o posto de Comandante”.
O Capitão Arthur, que trouxe muitos portugueses para o Brasil,  nasceu no dia 21/11/1879, em Colyton, Beer, Devon e faleceu em 16/11/1949, em Exmouth, Devon.

P.T.Juvenal Santosptjsantos@bol.com.br

Obs: as informações sobre o Capitão Arthur Cock foram obtidas no site http://www.unithistories.com/officers/rnr_officersc.html da Reserva Naval Real.

domingo, 2 de março de 2014

Memórias de Teatro em Penacova no tempo em que na vila não havia um único piano…

A propósito da recente apresentação em Penacova da revista à portuguesa “Isto Só Visto!”, que fez esgotar duas sessões programadas, recordemos um episódio da história do teatro na vila.

Desde as quase esquecidas memórias das ruínas de um velho teatro que terá existido  no actual “ténis”, passando pela organização de grupos cénicos mais ou menos duradouros, há registos de iniciativas e de pessoas que foram animando a vila e deixando a sua marca cultural. Por exemplo, a figura do “Prior Queiroz”,  fundador da Filarmónica, que antes de seguir a carreira eclesiástica fora militar (daí, muito provavelmente, a sua vocação não só para o teatro mas também para a música, dado que as bandas militares estarão na origem das filarmónicas).

Surgem-nos  também ecos de uma récita que se terá realizado em meados do século XIX,  onde a Comédia “A Porta Falsa” foi o ponto alto do programa (segundo cremos, tratou-se da peça em três actos, do espanhol Ildefonso António Bermejo [1820-1892]). O espectáculo  foi apresentado por alguns dos estudantes do concelho nesse tempo a estudar em Coimbra, por exemplo, o Nicolau Leitão, irmão do Conselheiro Alípio Leitão, então estudante de preparatórios, o Padre João Guedes, o Padre Casimiro e o prior Queiroz, estes três, então, estudantes do Seminário. Teria também participado “um tal António Joaquim de Paredes, que para Coimbra acompanhara, como era de uso então entre as famílias ricas, o conselheiro Alípio Leitão e os irmãos.”

Tal terá acontecido  nas férias da Páscoa de 1859 ou mesmo no domingo de Páscoa, pois “os rapazes haviam-se ensaiado no período escolar que decorre entre as férias de Entrudo e da Páscoa e os ensaios realizavam-se no Colégio de São Bento [em Coimbra] onde hoje [em 1917] é o liceu, e que era nesse tempo um acreditadíssimo colégio de preparatórios com um corpo docente composto dos mais distintos professores e de que era diretor o Dr. Manuel Xavier Pinto Homem”- conta tudo isto um interveniente, no Jornal de Penacova.

“A récita realizou-se na casa das senhoras de Lisboa como eram aqui conhecidas a mãe e a avó do Sr. José de Oliveira, casa que é hoje deste, em duas salas com comunicação, numa o palco e na outra a plateia.” Assistiu a ela “tudo quanto havia de mais distinto na sociedade de Penacova desse tempo.”

A iluminação da sala era feita “à luz de velas que ardiam em profusão em candelabros ricos.”

“-Não se admire, era isto no tempo em que Penacova não havia um único piano.”- conta um dos protagonistas do espectáculo.

“- Não me admiro nada – diz um interlocutor - progredimos sem dúvida. Quanto a iluminação, é certo que a guerra nos fez voltar ao petróleo, mas quanto a pianos, vila abaixo, é um céu aberto do dueto  As Cartolinhas e As Adelaides”.

Os bilhetes “foram feitos todos à pena pelo Padre João Guedes, que tinha “uma notável vocação para o desenho e desenhava principalmente caracteres de imprensa”
Os actores saíram-se muito bem. “O ensaiador foi o prior Queiroz que antes de estudar teologia fora sargento e na vida militar contraíra o gosto pelo teatro. “

A récita foi um sucesso. O entusiasmo levou a que logo se projectasse  outra para as férias grandes. Desta vez, não entrariam só os estudantes: além dos intérpretes da primeira recita actuariam também “os Carvalhos”, da Carvoeira. Chegaram a realizar-se alguns ensaios mas a família que havia cedido as instalações ficou de luto e o espectáculo ficou pelo caminho.