sexta-feira, 21 de março de 2014

Récita em Sábado de Aleluia e outras histórias sobre Teatro em Penacova

Já, por diversas vezes,  fizemos referência às crónicas IN ILLO TEMPORE assinadas por Zé do Mirante. Desta feita, é um texto publicado em 1952 no Notícias de Penacova que nos fala da tradição teatral na vila, tema que abordámos recentemente. Espaços, pessoas, vivências culturais que nos transportam à Penacova dos finais do séc. XIX.

"Pequenino, mas um amor de elegância"

“O teatro era onde hoje está instalado o posto da GNR. Pequenino, mas um amor de elegância. Além da plateia tinha um balcão, em forma de lira, unicamente reservado às senhoras. Havia somente um cenário, de duas faces-um pobre, outro rico; o pano de boca era pesado, mas da leveza do coração para os penacovenses – era o panorama de Penacova, vista da Cheira, pintada pelo artista António Eliseu; do mesmo era o cenário e toda a decoração do teatro, do qual não era estranha a a sensibilidade e delicado gosto do Sr. Joaquim Carvalho.
Não havia mobiliário próprio; mas em dia de récita não faltava no palco a mais insignificante parcela decorativa ou indumentária dos figurantes. Com orgulho se poderia afirmar que o nosso teatrinho não envergonharia qualquer vila provinciana.
Teve três fases - uma brilhante, outra sombria e outra de escuridão.
Nos dois primeiros períodos, passaram por ali artistas de Lisboa em digressão pela província e companhias ambulantes, que davam duas ou três récitas; uma houve que esteve nesta vila quase dois meses, dando dois espectáculos por semana e sempre casa à cunha.
"O Morgado de Fafe" foi uma das peças
representadas em Penacova por pessoas da terra.

Nesta foto: João Guedes, Alda Rodrigues e Ruy Furtado em “O Morgado de Fafe Amoroso”*, de Camilo Castelo Branco, com encenação de António Pedro (TEP 1958). Fotografia de Fernando Aroso

Ali se representou o Santo António, a Senhora da Nazaré, Inês de Castro, Filha do Saltimbanco, Morgadinha de Vale Flor, Burro do Sr. Alcaide, Gaspar Serralheiro; dramas e comédias então em voga e pelos amadores de Penacova o Morgado de Fafe (lembram-se de D. Raimunda, D. Maria de Melo e Sr. Alipinho? ). Foi nesse período brilhante que se notaram vocações e habilidades de amadores locais. Destacamos José Oliveira, pai do Dr. Aristides, candidato a Medicina e ao Matrimónio…
Aquele amador, logo que pisava o palco, sem dizer uma única palavra, desarticulava os espectadores, com um nunca acabar de rir! Personagem labrego ou agalegado, tinham em José Oliveira uma graça, um cómico tal, que algumas vezes descia o pano, findava a peça sem ele poder dizer o seu recado! Tentava-se o prosseguimento mas o público não se continha…e era ele que representava a rir, enquanto o José Oliveira no palco, somente com um simples gesto…era o espectador!
Foi no período da escuridão, com o teatro há anos fechado, aos ratos, às aranhas, ao pó, que num final de patuscada de chouriços e ovos, tirados a cantar as Janeiras pelos Reis, que o António Dias lamentava o abandono a que estava votado o teatro-escola de educação e recreio. Logo ali se constitui uma companhia para animar a Arte e para distracção do povo, já familiarizado como o borralho, a má-língua dos soalheiros ou a fatídica taberna.
O grupo compunha-se de António Dias, José Alves, Pinheiro, Augusto (o Pilica), Alípio Flórido, Duarte Mamede, J. R., Maria, Júlia, Laura e…não me recordo de quem mais. Com excepção do primeiro, todos os outros nunca tinham pisado o palco e, da Nobre Arte, só conheciam a dos saltimbancos, ao ar livre do Terreiro, pelo preço de 5 reis, ou pela fuga a tempo de beber um golo de água fresca da fonte…enquanto durava o peditório. Eu já era familiarizado com o meio teatral, por um dia ser encarregado de receber os bilhetes que davam acesso ao balcão…
Imediatamente a nova companhia se responsabilizou com o senhorio pela s rendas em dívida e logo no domingo seguinte ao dia de Reis – há mais de 50 anos – se tiraram as teias de aranha e se fez limpeza geral, ficando tudo como um brinquinho, procurando cada um fazer mais e melhor. Bons tempos!
Escolheram-se peças e figurantes e com o entusiasmo que a mocidade é capaz, se resolveram dificuldades e se iniciaram os ensaios de forma a dar-se a primeira récita em sábado de Aleluia.(...)"

*Quatro anos após o sucesso público d’O Morgado de Fafe em Lisboa [1861], e no contexto de assombrosa operosidade criativa, Camilo Castelo Branco publica uma nova comédia de costumes com o mesmo protagonista, O Morgado de Fafe Amoroso [1865], comédia em três actos, cuja acção decorre agora na Foz do Douro, em 1862. 

Sem comentários:

Enviar um comentário