sexta-feira, 29 de abril de 2016

A Revolta das Infantas (Teresa, Sancha e Mafalda)

D. Sancho I, filho de D. Afonso Henriques, morreu em Março de 1211. Tinha três filhos legítimos e para evitar  problemas fez testamento determinando que o mais velho (Afonso) lhe sucederia no trono, deixando aos outros dois consideráveis quantias de dinheiro. Às filhas (Teresa, Sancha e Mafalda) legou grandes propriedades. Teresa recebeu o Castelo de Montemor-o-Velho e as terras em redor, Sancha ficou com a vila de Alenquer e Mafalda com os mosteiros de Bouças e de Arouca (e ainda a herdade  de Seia.)
Afonso assinara o testamento mas não cumpriu totalmente a vontade do pai: entregou o dinheiro e as propriedades, sim,  mas todos tinham de se submeter à sua autoridade.  Apenas lhes deixou o rendimento, reservando para a coroa a autoridade sobre os homens e mulheres que viviam nesses domínios. O normal seria que quem detinha a posse da terra mandasse nas pessoas que lá viviam. Ora, Afonso II retirou essa prorrogativa. Profundamente descontentes, os irmãos partiram para o estrangeiro e as princesas lutaram durante muitos anos pelos seus direitos[i], dando origem a episódios bastante tumultuosos. Luta armada que ficou conhecida por “Revolta das Infantas”.
A nobreza dividiu-se: uma parte apoiava as pretensões de Teresa e suas irmãs, outra, defendia a posição de D. Afonso II. Lutas várias se sucederam entre os dois partidos. Conta o Livro de Linhagens do Conde D. Pedro que entre Montemor e Coimbra se travou um desses combates.
Montemor estava cercada  pelas tropas de  Martim Anes de Riba de Vizela.  Do lado de D. Teresa destacou-se Gonçalo Mendes de Sousa. Conduzindo uma surtida contra os sitiantes conseguiu afastar Martim Anes na direcção de Coimbra. O confronto físico deu-se já longe do Castelo. As forças leais ao rei foram desbaratadas. Faltava agora eliminar o chefe. Gonçalo Mendes persegue-o por montes e vales até chegar a uma zona pantanosa, provavelmente a área hoje conhecida por Paúl de Arzila. Dá-se o frente a frente.
"Defende-te traidor! Hoje mesmo entrarás no Inferno por teres esquecido o serviço do Rei pelas saias da Infanta mal casada!" – gritou Martim Anes. Mas Gonçalo Mendes investiu. Cego de raiva atirou a espada na direcção do inimigo com tal ímpeto que logo ali o derrubou. Cavalo e cavaleiro precipitaram-se no pântano.  Alguns pastores que andavam ao longe ouviram gritos e relinches mas não assistiram à morte horrorosa de Martim Anes que se afundou na lama do pântano coberto de sanguessugas negras que lhe sugaram o sangue até à ultima gota”. [ii]



1 Na obra de Eça de Queiroz  A Ilustre Casa de Ramires são referidos, ao longo de diversas páginas, muitos destes episódios.
2  Cf.: José Mattoso, Ana Maria Magalhães, Isabel Alçada:  Os Primeiros Reis – História de Portugal - 1º volume,   Editorial   Caminho,  1993




segunda-feira, 25 de abril de 2016

Orçamento Participativo de Penacova: listagem das propostas apresentadas

"O Orçamento Participativo de Penacova pretende envolver os munícipes na definição anual das prioridades de investimento público da autarquia." - é deste modo que começa por se apresentar este projecto concelhio.
A participação passa pela apresentação de propostas por duas vias: online e presencialmente (nos "Encontros de Participação" a realizar em todas as freguesias.) As propostas submetidas pela via electrónica serão sujeitas a uma pontuação pública, para determinar as que passarão à fase de análise técnica. A votação já começou e decorre até ao fim do mês.  
Portugal destaca-se como “um dos países europeus com mais alta densidade de orçamentos participativos” – refere um estudo de Giovanni Allegretti e Nelson Dias sobre o fenómeno. Afirmam também aqueles investigadores que  “é, de todas as formas, importante que se estejam a consolidar como um espaço que recupera para a acção política pessoas que estão descrentes do sistema democrático representativo”. Entre 2002 e 2013 foram 46 municípios e 19 juntas de freguesia a promover esta iniciativa que agora chegou também a Penacova.

Apresentamos uma síntese das propostas feitas online e que já se encontram abertas à votação dos munícipes. Para mais e melhores esclarecimentos remetemos para a consulta do respectivo site:  http://op.cm-penacova.pt/ 

Títulos  das  propostas e nome dos seus signatários:   

1 Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova
Emídio Joel Cunha Rodrigues
2 Construção de albergue para Animais incluindo canil e gatil.
Susana Maria de Matos Lopes / Telma Alves
3 Campo de Jogos - Penacova
Bruno Gonçalo dos Reis Barros
4 Passadeira na zona dos Bombeiros Voluntários
António Almeida Soares
5 Campo de Ténis em Figueira de Lorvão
Daniel Marques da Silva
6 Ações de Promoção do Concelho de Penacova
Simão Santos
7 Desenvolvimento sustentável - Uma responsabilidade de todos
               Distribuição de um kit de reciclagem caseira
Francisco Miguel Rodrigues Lopes
8 Mini campo de futebol de Sazes
Jacques Brebant
9 Vila histórica
              Vila mais bonita e mais apelativa
Sónia Amaral
10 Ciclovia EN110
               Aproveitamento da EN110 para a prática de ciclismo/cicloturismo
Pedro Viseu
11 Parque infantil
     (na vila)
Cátia da Mota Cardoso
12 IMI
               Propõe-se que o valor monetário disponível no OP fosse utilizado, ou em parte, na redução do  valor  do IMI para famílias com filhos.
Fernando Manuel Duarte Sousa
13 Criação de gabinete para prestação de cuidados de saúde (Fisioterapia, Terapia da Fala, Terapia Ocupacional e Psicologia)
Maria Teresa dos Santos Morgado Martins
14 Trilhos do Alva  (trilho/percurso junto ao rio)
Pedro Miguel Nogueira Henriques
15 Regeneração do Parque Municipal
Pedro Fonseca
16 Melhoria dos transportes públicos
Inês Frade
17 Estrada à beira-rio (Ronqueira)
António José Flórido Batista
18 Hotel de Penacova
              Obras no Hotel de Penacova.
Isabel Lopes
19 Zona balnear na Ribeira do Chorão
Rui Fernando Simões Jordão
20 Circuito de Manutenção
               Lorvão - Chelo - Rebordosa - Caneiro.
Jorge Manuel da Fonseca Neves
21 Centro de Estudos
Margarida Isabel Duarte Sousa Brito
22 Acesso ao Parque de Estacionamento
António de Miranda
23 Reabilitação da Foz da Ribeira D`Arcos – Rio Mondego, Foz do Caneiro
Maria da Conceição Veiga Reis
24 Rede partilhada de transportes públicos
Cláudia Isabel Marques de Oliveira
25 Requalificação do estacionamento junto às Piscinas Municipais
Cláudia Patrícia Henriques da Silva
26 Renovação das árvores do mirante Emídio da Silva
Luís de Jesus Oliveira Amaral
27 Requalificação da iluminação pública na freguesia de Sazes do Lorvão.
Diogo Filipe SImões da Silva
28 Museu da Lampreia
Luís Manuel Simões Pereira
29 Festival do Frio
              Música e artes
Sandra Henriques
30 Proposta de criação de espaços para alojamento Low Cost em Penacova
              Construção de uma zona com bungalows em madeira
Patrique Henrique Rodrigues Maia
31 Remodelação das Piscinas Municipais de Penacova (número de pistas)
Sérgio Fernando Batista Carvalho
32 Criação de Piscinas Flutuantes - Praia do Reconquinho
Maria Esmeralda Gomes Cruz
33 Museu do palito, etnográfico, preservação de usos e costumes (Lorvão)
Lina Maria Pisco Felix Viseu Fernandes
34 Sinalética do lugar de Miro
Manuel Cunha Pinheiro Nogueira
35 Afixação de números de porta (personalizados) na aldeia de Miro
Isaura Nogueira
36 Cápsula de Vidro - Meeting Point Penacova na Livraria do Mondego.
Rita Cassilda Rodrigues Duarte
37 Construção de um parque infantil público em Aveleira
Tânia Alexandra Maia Rodrigues
38 Skate Parque
Francisco Seco da Costa
39 Campo Escutista em Penacova
Cátia Costa
40 Melhoria de condições de segurança de extensão de caminho municipal entre Hombres e Laborins
António Henriques Marques
41 A reconstrução do campo da equipa Salgis
Diogo José Neves Tavares
42 Rede de Circuitos/Ginásio de Manutenção Física ao Ar Livre
               Parque Verde de Penacova
Ana Filipa Simões
Adenda: 
43 Percursos Pedrestres e Percursos de Bicicletas

Fábio José Pereira da Fonseca

domingo, 24 de abril de 2016

Coral Divo Canto assinalou 13º Aniversário

O Coral Divo Canto assinalou ontem o seu 13º aniversário, organizando o já habitual Encontro de Coros. Nesta edição, marcaram presença o Coral Stella Maris, de Peniche, e o Orfeão de Seia. Endereçamos os nossos sinceros parabéns, não apenas por estarmos em fase de aniversário, mas também porque o grupo tem vindo a revelar um crescendo de qualidade, afirmando-se assim como digno “embaixador cultural” de Penacova nos mais variados palcos nacionais e internacionais. Depois de partilharmos com os nossos leitores um conjunto de imagens do espectáculo que decorreu no Centro Cultural de Penacova, faremos uma breve resenha do seu percurso e recordaremos alguns dos momentos do grupo expressos em fotos, cartazes e recortes de jornal.


Stella Maris - Peniche


Orfeão de Seia


Coral Divo Canto





A seguir: sessão comemorativa do Aniversário

Vereadora da Cultura de Penacova enaltecendo
o trabalho do Divo Canto



BREVE HISTORIAL DO GRUPO:

A origem do Coral Divo Canto da Casa do Povo de Penacova esteve  num grupo de pessoas de várias localidades com a mesma paixão pela música que, todos os anos, na época natalícia, se juntavam para participar, conjuntamente com a Filarmónica daquela Casa do Povo.
A oficialização do grupo coral remonta ao ano de 2003, depois de apresentado o projecto da Casa do Povo à Câmara Municipal de Penacova. O então vereador da cultura, Prof. António Simões e o presidente da Câmara, Engº Maurício Marques, apoiaram desde logo este projecto. O seu primeiro ensaio, como “Coro Poliphónico da Casa do Povo de Penacova”, foi no dia 2 de Abril de 2003, tendo começado com 35 elementos. Nuno António Campos que também dirigia a Filarmónica, foi o primeiro maestro. Teve a sua primeira actuação a 24 de Abril de 2004, faz hoje 12 anos, apadrinhada pelo grupo coral da Carapinheira.
Desde então a sua actividade tem vindo a crescer com actuações a nível concelho, nacional e internacional apresentando um repertório bastante diversificado: composições clássicas, contemporâneas, tradicionais portuguesas, sacras e profanas. O Coral Divo Canto tem feito um importante trabalho de sensibilização das pessoas do concelho de Penacova para a música coral, realizando frequentemente concertos nas diferentes freguesias. Organiza anualmente o Concerto do seu Aniversário, o Encontro de Coros de Penacova e um Concerto de Natal para os quais convida coros nacionais e estrangeiros. Em 2015 constituiu-se como Associação Cultural.
O grupo já teve oportunidade de trabalhar com várias direcções artísticas, nomeadamente com o Maestro Gonçalo Rocha e com o Prof. Celestino Maria Ortet. Actualmente é dirigido pelo Maestro Pedro André Rodrigues.























quarta-feira, 20 de abril de 2016

CARTAS BRASILEIRAS: 367 x 137

Caros leitores:
Costumeiramente, as cartas se iniciam perguntando ao destinatário como estão todos, se tudo anda bem, a saúde, os negócios, os filhos e netos. Pergunta-se até como são enfrentadas as dificuldades provocadas pela recessão e desemprego. Só então se revela como está passando, e assim vai, praticamente, na mesma ordem das perguntas que fez.

Pois bem, subentendidas as primeiras, digo, estamos todos bem, a saúde vamos levando, um tropeço aqui, uma queda acolá; afinal, passados mais de setenta giros em torno do Sol, o “bicho começa a pegar”, como dizemos aqui, a dizer que o peso da idade acaba chegando. Aposentados, vivemos da merreca que nos pagam, os filhos continuam na luta diária, os netos, esses cada vez mais graciosos e inteligentes.   
O Brasil vive um momento difícil economicamente, fruto do desarranjo promovido pelas medidas desastrosas tomadas pelo governo, notadamente, a partir do último ano do mandato anterior de Dilma; conhecida como “o poste” inventado por Lula. Explico:  dizia-se que quem fosse indicado por Lula para qualquer cargo seria eleito, dado o prestígio conquistado nos meios mais carentes com a implantação do Bolsa Família, e é claro, puxado pelo desempenho da balança comercial, quando a China comprava tudo o que via pela frente.
O escândalo do Mensalão, já no primeiro governo Lula, do qual, milagrosamente, saiu ileso, foi um aviso de que a gestão pública não era das melhores; a economia mundial foi a malha protetora.
Na sequência, escândalos cada vez maiores começaram a explodir no governo Dilma, apontados pelo processo da Lava-Jato (lavagem de dinheiro rápida), conduzido por um jovem juiz, Sérgio Moro. Pego o fio da meada, puxou-se o novelo todo; cada dia um novo roubo, desvios, superfaturamentos, propinas. Mesmo não tendo sido alcançada nas investigações, e de nada tenha sido acusada, fica difícil isentá-la completamente de culpa, afinal, os altos cargos ainda que indicados por políticos da base aliada, têm que ter o crivo presidencial. A Petrobras, nossa maior empresa, vítima do escândalo do Petrolão, está em frangalhos, a economia um fracasso, 10 milhões de desempregados, estimam mais 3,7 milhões até 2017, aumento de empregos informais, inadimplência crescente.   
No entanto, se disso Dilma se safou, acabou sendo pega em crimes de responsabilidade, ao autorizar créditos fora do orçamento, sem consultar o Congresso, bem como por tomar empréstimos em bancos oficiais, o que é proibido pela legislação. Por tais crimes, como previsto na Constituição, a Câmara Federal, no dia 17 de abril, acatou o processo de “impeachment”, por 367 votos a 137, 7 abstenções e 2 ausências.  
O passo seguinte:  o processo será encaminhado ao Senado, e se admitido, será julgada, podendo perder o mandato conquistado nas urnas, em uma das eleições mais disputadas da história do Brasil, mas que teve sua legitimidade contestada por descumprir a Constituição Brasileira.  
Desejando que as coisas andem bem aí, rezando para que melhorem aqui, envio a todos o meu abraço.  P.T.Juvenal Santos – ptjsantos@bol.com.br       


PODE TAMBÉM VER: 

      

domingo, 17 de abril de 2016

Toponímia Coimbrã: António José de Almeida, a Rua e o Busto


É num pequeno largo, no cruzamento das Ruas António José de Almeida e Nicolau de Chanterene que encontramos um busto de António José de Almeida. A rua com o seu nome existia já desde os inícios da década de trinta do século passado. A deliberação da Câmara Municipal de Coimbra data de 16 de Julho de 1931.A abertura desta nova artéria da cidade inseriu-se no surto de construção  na zona de Celas e Montes Claros. 


Bustos de António José de Almeida: 
em Coimbra (à esquerda) e em Penacova (à direita)


O busto, moldado em bronze, foi  inaugurado a 5 de Outubro de 1984. Trata-se de uma obra de Cabral Antunes muito semelhante (ou mesmo cópia) à que se encontra no Largo Alberto Leitão em Penacova (5 de Outubro de 1976) e que também é da autoria do mesmo escultor.

Assenta sobre um “pedestal paralelepipédico vertical, integrado num canteiro, que se encosta a um elemento parietal em alvenaria rebocada, ligeiramente curvado, contendo uma pequena lápide em pedra com uma inscrição alusiva ao homenageado, ladeada por duas fitas metálicas com as cores da bandeira nacional.” – refere um documento do Ministério da Cultura.

Busto de António José de Almeida em Coimbra


Localização da Rua António José de Almeida


domingo, 10 de abril de 2016

Mistério em Agrelo

Perto do lugar de Agrelo e da ribeira do mesmo nome, num sítio conhecido por  Val do Cavalo, existirá uma espécie de mina escavada de tal modo na rocha, que se torna difícil acreditar que foi feita por mão humana. Conta-se que  ao fundo desse túnel há uma lagoa onde a “água não cresce nem mingua e também não corre”.  A passagem é de tal modo  difícil que ninguém consegue explorar o que está nas entranhas daquele monte.
À volta disto, conta-se também que, há algumas centenas de anos, certo Pároco da Freguesia da Figueira de Lorvão, chamado António de Magalhães,  não resistiu à curiosidade. Mandou fazer uma bomba, com a qual trabalharam  vários homens durante  vinte e quatro horas, na tentativa de fazer secar toda a água da lagoa.
Depois de tirarem a maior parte, dois deles lá conseguiram avançar. Munidos de uma lanterna e a pé praticamente enxuto, conseguiram chegar a umas escadas que os levaram até uma porta que dava para uma enorme sala.
Ora, qual não foi o susto quando se lhe apresenta um conjunto de cinco enormes vultos com armas de fogo apontadas para a dita porta. Cheios de medo recuaram mas tiveram que fugir a nado pois a água tinha entretanto voltado ao nível inicial.
O medo apoderou-se de tal modo da população que nunca mais ninguém terá tido coragem para desvendar aquele mistério.

Alguns diziam que talvez fosse  um  esconderijo  dos “mouros”. E quem sabe, mesmo até um  esconderijo de um tesouro valiosíssimo. Então, a lagoa serviria  para impedir o acesso a quem quer que fosse . Por sua vez, aquelas figuras assustadoras não passariam de  um conjunto de estatuetas colossais ali colocadas precisamente para aterrorizar quem ali se atrevesse a entrar... 
Mas a verdade, só Deus sabe – diz o povo...

sábado, 2 de abril de 2016

Gondelim e a Lenda da Senhora da Moita

Imagem de N.Sª da Moita
(foto de Rosa Silva)

Gondelim, terra mencionada em documentos muito antigos, foi residência de importantes famílias nobres ainda antes da fundação de Portugal. O site da junta de freguesia de Penacova regista a Lenda que envolve a Senhora da Moita, cujos festejos em sua honra estão a decorrer neste fim de semana que se segue à Páscoa, como é tradição.

É também essa lenda da Senhora da Moita que o nosso colaborador das Cartas Brasileiras, reconta no livro que tem para publicação intitulado “Azulejos Portugueses - Lembranças e Mistérios”.

Paulo Santos faz-nos, um breve resumo: ”Idosa portuguesa retorna de sua primeira visita a Portugal, desde que imigrara para o Brasil na década de 30.” No voo de regresso àquele país senta-se ao lado de uma jovem “tripeira”, que pela primeira vez visita as Terras de Vera Cruz. “É durante a viagem que ela conta para a jovem passagens de sua vida, no Brasil, e parte dela, ainda na infância em uma aldeia de Penacova. Fala de suas aventuras e venturas, dos sonhos, das sombras, dos medos, dos encantos, dos mistérios.(...) A ficção “Azulejos portugueses” é uma viagem pela região de Penacova (Portugal), por seus lugares e tradições, no roteiro da protagonista, os encantos, as lembranças, segredos, dúvidas, angústias e alegrias; como a própria vida."

Mas, fiquemos então com a leitura de um excerto da referida obra onde se fala de Gondelim e da Lenda da Senhora da Moita:



Capela de Nossa Srª da Moita
(aguarela de Conceição Ribeiro para o livro
"Azulejos Portugueses")

“Foram para a Quinta, onde havia passado parte da infância. Apesar de serem uns minguados quilômetros, os olhos atentos absorvendo tudo, a inquietação crescendo. A primeira parada foi na capela.

Diante da igreja, as recordações vieram aos borbotões, as mulheres conversando, os homens rindo, as crianças correndo nas gostosas brincadeiras na porta da igreja ao término das missas dominicais. A avó assegurava, a imagem da capela era a mesma escondida pelos cristãos no tempo da invasão bárbara.(...) De acordo a tradição, os moradores ao perceberem estar próxima a invasão dos bárbaros, encontraram um meio de proteger a Santa. Pegaram uma trilha bem conhecida em um dos montes, e enterraram a imagem, com um sino, lá no alto, debaixo de uma moita vistosa.

O tempo passou e arrastou com ele os que haviam escondido a Santa. Felizmente, haviam contado para os filhos e netos. Todos sabiam qual era o monte, qual trilha tomar e em qual das moitas estava enterrada. A história foi passada oralmente para os descendentes.

Com o passar dos anos, os detalhes foram sendo omitidos, esquecidos, até ninguém mais saber em qual das moitas do monte a Santa tinha sido escondida. Quando os invasores foram finalmente expulsos, os habitantes desconheciam por completo a história da imagem enterrada, a tradição totalmente perdida.

Passadas centenas de anos, moradores caçando no meio da mata de um dos montes, ouviram o som do badalar de um sino, no meio do nada. Assustados fugiram, voltaram para a aldeia.

Relataram o inusitado, tinham um monte mal-assombrado. O acontecimento espalhou-se, rapidamente, de boca em boca, todos na aldeia ficaram sabendo, muitos não acreditaram, outros preferiram não duvidar, uns ficaram com medo.


Alguns daqueles homens, encorajados por companhias e armados, retornaram ao monte, e foram a um ponto no meio da mata de onde teria saído o som metálico e vibrante.

Dividiram o grupo em quatro, na direção dos pontos cardeais, saíram a procurar, embrenhando-se na mata. Os homens de um dos grupos, ao escutarem o barulho, entraram ainda mais na mata. Conforme caminhavam sentiam o som aumentar, a indicar estarem perto do local.

Aprontaram a maior gritaria. Os integrantes dos outros grupos, ao escutarem os pedidos de socorro, correram para acudir, chegaram esbaforidos.

Junto a uma enorme moita, cortaram o mato e cavaram. Encontraram um sino e ao desenterrá-lo, trouxeram a imagem de uma Santa. Admirados, ajoelhados, rezaram, e deram o nome de Nossa Senhora da Moita.”

Paulo de Tarso J. Santos nasceu em Barretos, São Paulo, em Julho de 1944. É funcionário aposentado do Banespa (antigo Banco do Estado de São Paulo), é licenciado em Matemática pelo Sedes Spientiae - PUC-SP. Em 2007, a Câmara Brasileira de Jovens Escritores editou o seu livro de ficção “Cinzas e Fumaça”. Foi cronista colaborador de “O Diário de Barretos” durante quase dez anos, com cerca de quinhentas publicações.