quarta-feira, 20 de abril de 2016

CARTAS BRASILEIRAS: 367 x 137

Caros leitores:
Costumeiramente, as cartas se iniciam perguntando ao destinatário como estão todos, se tudo anda bem, a saúde, os negócios, os filhos e netos. Pergunta-se até como são enfrentadas as dificuldades provocadas pela recessão e desemprego. Só então se revela como está passando, e assim vai, praticamente, na mesma ordem das perguntas que fez.

Pois bem, subentendidas as primeiras, digo, estamos todos bem, a saúde vamos levando, um tropeço aqui, uma queda acolá; afinal, passados mais de setenta giros em torno do Sol, o “bicho começa a pegar”, como dizemos aqui, a dizer que o peso da idade acaba chegando. Aposentados, vivemos da merreca que nos pagam, os filhos continuam na luta diária, os netos, esses cada vez mais graciosos e inteligentes.   
O Brasil vive um momento difícil economicamente, fruto do desarranjo promovido pelas medidas desastrosas tomadas pelo governo, notadamente, a partir do último ano do mandato anterior de Dilma; conhecida como “o poste” inventado por Lula. Explico:  dizia-se que quem fosse indicado por Lula para qualquer cargo seria eleito, dado o prestígio conquistado nos meios mais carentes com a implantação do Bolsa Família, e é claro, puxado pelo desempenho da balança comercial, quando a China comprava tudo o que via pela frente.
O escândalo do Mensalão, já no primeiro governo Lula, do qual, milagrosamente, saiu ileso, foi um aviso de que a gestão pública não era das melhores; a economia mundial foi a malha protetora.
Na sequência, escândalos cada vez maiores começaram a explodir no governo Dilma, apontados pelo processo da Lava-Jato (lavagem de dinheiro rápida), conduzido por um jovem juiz, Sérgio Moro. Pego o fio da meada, puxou-se o novelo todo; cada dia um novo roubo, desvios, superfaturamentos, propinas. Mesmo não tendo sido alcançada nas investigações, e de nada tenha sido acusada, fica difícil isentá-la completamente de culpa, afinal, os altos cargos ainda que indicados por políticos da base aliada, têm que ter o crivo presidencial. A Petrobras, nossa maior empresa, vítima do escândalo do Petrolão, está em frangalhos, a economia um fracasso, 10 milhões de desempregados, estimam mais 3,7 milhões até 2017, aumento de empregos informais, inadimplência crescente.   
No entanto, se disso Dilma se safou, acabou sendo pega em crimes de responsabilidade, ao autorizar créditos fora do orçamento, sem consultar o Congresso, bem como por tomar empréstimos em bancos oficiais, o que é proibido pela legislação. Por tais crimes, como previsto na Constituição, a Câmara Federal, no dia 17 de abril, acatou o processo de “impeachment”, por 367 votos a 137, 7 abstenções e 2 ausências.  
O passo seguinte:  o processo será encaminhado ao Senado, e se admitido, será julgada, podendo perder o mandato conquistado nas urnas, em uma das eleições mais disputadas da história do Brasil, mas que teve sua legitimidade contestada por descumprir a Constituição Brasileira.  
Desejando que as coisas andem bem aí, rezando para que melhorem aqui, envio a todos o meu abraço.  P.T.Juvenal Santos – ptjsantos@bol.com.br       


PODE TAMBÉM VER: 

      

Sem comentários:

Enviar um comentário