terça-feira, 19 de outubro de 2010

Recordando as Primeiras Damas da República: Maria Joana Morais Perdigão Queiroga de Almeida


Maria Joana, mulher de
António José de Almeida
Maria Joana Morais Perdigão Queiroga de Almeida, nasceu a 9 de Março de 1885, em Redondo,  e faleceu a  27 de Junho de 1965 em Lisboa.

Conheceu António José de Almeida  por volta de 1902, que era mais velho   19 anos.Casam a 14 de Dezembro de 1910 na Administração  do 1º Bairro de Lisboa, tendo como testemunhas, o irmão de António José de Almeida, Francisco António de Almeida, Juiz da Relação de Lisboa e Manuel de Arriaga, então,  Procurador Geral da República. Ficam a morar  na rua  de S.  Gens,  na  pequena casa onde António José de Almeida  vivia enquanto solteiro .
Espingarda usada como defesa na
noite de 19 de Outubro de 1921

Hoje, passados precisamente 89 anos, na noite de 19 de Outubro de 1921, dá-se  a “ Noite Sangrenta” em que são assassinadas várias personalidades entre elas o Chefe do Governo, António Granjo. Nessa tenebrosa noite, António José de Almeida, estava a convalescer, em casa,  da doença crónica  que o acometia. São avisados telefonicamente do perigo daquele momento e,  enquanto não chega a GNR , Maria Joana pega na caçadeira que guardava desde os tempos em que participava no Alentejo nas caçadas à raposa e coloca-se no 1º andar do palacete onde residiam, na Rua António Augusto de Aguiar, fazendo pontaria para a rua.
Este episódio passou-se há 89 anos exactos.

Em 1923 preside à Comissão Organizadora da Festa da Flor para angariação de fundos para a Cruz Vermelha. É  agraciada com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.
António José de Almeida  morre em 1929, ficando viúva com 44 anos. Tem uma filha, Teresa. Passa os seus dias dedicando-se à família, em especial aos netos, António, que nasce em 1943, Maria Manuel (1944) e Maria Teresa (1946).
Morre na rua Ressano Garcia com um acidente vascular cerebral, em  1965.
Neste Centenário da República uma homenagem respeitosa àquela que acompanhou António José de Almeida, como sua mulher.
Fonte: As primeiras Damas da República,  Museu da Presidência, 2006

Sem comentários:

Enviar um comentário