domingo, 17 de outubro de 2010

Um tributo a Travanca, à Etnografia e ao Folclore


Capa do desdobrável
de apoio e divulgação do
 espectáculo
Não é fechado numa arca que queremos o passado. Este, queremo-lo vivo, para o podermos reconstruir e transformar…Pois é cientes daquilo que fomos, que podemos seguir em frente e progredir sem temer a separação desse passado que é o nosso, sem medo de perder as referências que a ele nos prendem…

Assim se escrevia, vão quase vinte anos, num  Guião  distribuído aquando da apresentação do espectáculo “As Quatro Estações do Linho”, pelo Rancho Etnográfico e Folclórico de Travanca do Mondego. Uma produção que integrava, para além da música, apontamentos de dança e teatro, partindo do princípio de que a representação das tradições, enquanto  encenação que  é, se pode assumir como um verdadeiro espectáculo.

Assim aconteceu em 1989, quando um grupo de jovens e adultos, cheios de entusiasmo, deram vida a este renascer de tradições. Eram eles: Adelaide Sousa, Albertina Cordeiro, Alice Alves, Alice Rodrigues, Álvaro Ferreira, Amadeu de Matos, António C. Henriques, António Pais, António Rodrigues, Carlos M. Martins, Cecília Henriques, Cecília Sousa, Conceição Geraldes, Daniel Henriques, David Henriques, Graça Alves, Isabel Ferreira, João Azadinho, José A. Joaquim, José Fernandes, José Joaquim, Lúcia Matos, Nuno Azadinho, Nuno O. Santos, Palmira Viseu, Paula Alexandra Pereira, Pedro Fernandes, Raquel Figueiredo, Reinaldo Dinis e Tomé Teixeira.

O Centro Paroquial de Bem-Estar Social, com o empenhamento do Sr. Padre Veiga, lançou em 1986 a ideia de recuperar usos e tradições da freguesia, organizando uma recolha de “ antiguidades” e posterior exposição de objectos e utensílios tradicionais, bem como o levantamento de danças e cantares locais. Em 1987, é apresentado o espectáculo de etnografia e folclore intitulado “Desfolhada” e, passados dois anos, as “Quatro Estações do Linho “. Esta recriação de tradições e de vivências de outrora tinha como responsável a Dr. Maria da Conceição Moura. Outros colaboradores deste projecto foram, como muitas pessoas se recordam, os professores António Bessa e Celestino Ortet, na parte musical.

Um projecto que, devido a vicissitudes várias, não ganhou as raízes necessárias a uma desejável continuidade. De qualquer modo, durante o seu período de existência foi acarinhado pela população da freguesia e levou a vários locais, incluindo Coimbra, um conjunto de espectáculos de grande valor cultural.

O concelho de Penacova, à semelhança do que se vai fazendo um pouco por todo o país, vai tendo bons grupos etnográficos e folclóricos que, apesar das dificuldades, vão transmitindo a riqueza cultural dum tempo que já não volta mas que faz ainda parte dum presente que, cada vez mais, se quer com significado e com identidade própria. A etnografia e o folclore, que para alguns pode significar um parar no tempo, não é mais do que um ponto de partida para novas experiências.

É que, como se escreveu acima, o passado tem que se manter vivo, se o queremos reconstruir e recriar.

 David Almeida

( originalmente publicado no jornal Nova Esperança (2008)

Sem comentários:

Enviar um comentário