segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Impressões e Emoções duma Viagem a Portugal e duma Visita a Penacova

 “ No meio de toda essa beleza de Lisboa, reservamos a quarta-feira 13 de maio, dia em que se comemora a Libertação dos Escravos aqui no Brasil, para conhecer Penacova, de onde vem a origem de meu sangue português, Telhado, terra de meu avô Afonso Rodrigues da Costa. Já a conhecia por fotos e filmes enviados por um amigo querido que localizou nossa família portuguesa em Midões, favor que jamais poderá ser pago materialmente. Mas a emoção que senti ao entrar na vila, ao descer do carro no Largo Alberto Leitão, ir até a Pérgola e ver o Rio Mondego tal qual nas fotos e filmes jamais conseguirei colocar em palavras, é algo, um sentimento que jamais senti, a ponto de ao agradecer a Deus na Igreja, em oração, começar a chorar muito, lágrimas portuguesas, com certeza. Era alegria, emoção de estar pisando o solo que meu avô (que nem cheguei a conhecer) pisou, ver, sentir o perfume, o cheiro dessa Terra e flores, ver sua gente, ouví-la, minha gente.”
                                                                                                            . Heliana Rodrigues da Costa
Ontem, dia 22 de outubro, lendo um artigo assinado por  Correia Borges, sobre Lorvão,  no Blogue Penacovaonline, voltei a pensar em como gostaria de escrever sobre Portugal e até se seria capaz de fazê-lo, expressando tudo o que minha viagem causou e o que mudou em minha vida.
DIÁRIO DUMA VIAGEM...
Fiz essa viagem de 22 dias em Maio graças a uma oportunidade com a participação da COMPANHIA DA CASA AMARELA, empresa de Teatro de meu irmão,  em dois Festivais, no Porto e Arcos de Valdevez.
Não terei,  por mais que busque, palavras para descrever tudo o que vivi nessa Terra amada que hoje considero minha segunda Pátria, e a transformação que ela me causou.
Preciso primeiramente esclarecer que desde criança gostava muito de Portugal e tudo a que ele se referia, música, comida, história, sua gente, seus heróis. Dançava e cantarolava as cantigas folclóricas portuguesas.
Bem conheci algumas cidades, como se diz aqui no Brasil, poucas sei hoje, tenho consciência do quanto não conheci, e que preciso muitos meses nesse país tão pequeno geograficamente comparado ao meu Brasil, mas de tão grande riqueza histórica e cultural.
Chegamos à Lisboa às 6:45 do dia 30/04/2009, tempo nublado com garoa, as luzes da cidade ainda acesas, lindo de se ver. Senti um impulso de beijar o chão do aeroporto, afinal estava em solo português, mas freei-me, seria ridículo! Quem entenderia? Somente meu coração, pela emoção que estava sentindo, parecia que estava de volta à minha Terra.
Fomos imediatamente, ou quase, para o Porto onde seria o primeiro Festival. Ah Porto, que boa gente, que acolhedor, quanta beleza. Praça da Batalha, descer pelo Funicular, passear pela Ribeira; no elétrico pela cidade, o vinho verde, saboreado pela primeira vez em Portugal. Ganhei de uma senhora portuguesa muito simpática, enquanto descia para a Ribeira, uma flor de nome Maia e junto a explicação do porquê os estabelecimentos comerciais a mantinham às portas ou janelas; descer à Ribeira pelas escadas então noutro dia foi algo indescritível, sentindo o coração, a vida portuguesa pulsando em seus degraus, nas paredes das casas, na beleza das flores, lanternas, comer bolinho de bacalhau, em Portugal... Ver o Rio Douro, sua barca de passeio e do outro lago Gaia. Nesta noite, no quarto do hotel chorei baixinho, para ninguém escutar, enquanto agradecia a Deus por estar e sentir que pertenço a essa Terra, essa gente.
Conheci o Bacalhau à Braga olhando as gaivotas voando ao longo do Rio Douro. Mais emoção, mais uma vez, indescritível.
Do Porto seguimos para Braga, cidade lindíssima, passeávamos todos os dias pela Av. Central até a Praça maior, lindos canteiros, arquitetura moderna misturada à medieval. Deus, que loucura, acho que vou explodir de tanta felicidade!!!.
Na igreja da Sé senti como os outros, uma emoção estranha, aliada a um silêncio respeitoso, algo emudecia-nos, tanta magnitude. Conhecemos também o Museu e Jardim dos Biscainhos, neste, três espaços sublimes, de uma vegetação sóbria e acolhedora que convidava a deitar-se na relva, mas não o fiz também.
Conheci muitas capelas, igrejas, Hospital, Ruínas Romanas, meu Deus, de novo, que emoção. Também o Teatro Circo, magnífico.
De Braga, fomos a Arcos de Valdevez, cada vez que passávamos por uma estrada, via Portugal em seu interior, e se via uma casinha no campo, era lá dentro dela que desejava estar, uma casa portuguesa, com certeza, como cantava desde criança com Amália ao aparelho de som.
Em Arcos de Valdevez, cidade que chamei de "MÁGICA", e não existe outra palavra para descrevê-la, já vimos de imediato a Casa de Cultura, a praça na qual a mesma se localiza, é linda, tem árvores centenárias, uma igreja, uma ponte... vimos também o largo do Mercado Municipal, o relógio d'água, uma capelinha medieval sem bancos, uma relíquia, emoção até ao tocar suas paredes.
Lá conheci o Bacalhau ao Minho, o arroz malandro. Muito bom.
Fotografei Arcos da sacada da Biblioteca, onde fiquei muito tempo olhando aquela visão mágica. No teatro ouvimos um Coral Búlgaro, e com esta experiência eu não contava, maravilhosa. Consegui tomar um café `margem do Rio que já não me lembro o nome, ouvindo suas águas, sentindo sua energia.
Partimos para Lisboa para ficarmos por uma semana e voltarmos ao Brasil.
Nesta capital que pretendo conhecer muito melhor noutros dias, conheci o Parque Eduardo VII, a Torre de Belém, o Tejo, ah o Tejo.., o Castelo de São Jorge, a Mouraria, indescritível também, o Mosteiro dos Jerônimos, o Chiado, a Ponte Vasco da Gama, o Parque das Nações com seu Oceanário, Jardim das Águas, Passeio de Ulisses, o lado moderno de toda metrópole.
No meio de toda essa beleza de Lisboa, reservamos a quarta-feira 13 de maio, dia em que se comemora a Libertação dos Escravos aqui no Brasil, para conhecer Penacova, de onde vem a origem de meu sangue português, Telhado, terra de meu avô Afonso Rodrigues da Costa. Já a conhecia por fotos e filmes enviados por um amigo querido que localizou nossa família portuguesa em Midões, favor que jamais poderá ser pago materialmente. Mas a emoção que senti ao entrar na vila, ao descer do carro no Largo Alberto Leitão, ir até a Pérgola e ver o Rio Mondego tal qual nas fotos e filmes jamais conseguirei colocar em palavras, é algo, um sentimento que jamais senti, a ponto de ao agradecer a Deus na Igreja, em oração, começar a chorar muito, lágrimas portuguesas, com certeza. Era alegria, emoção de estar pisando o solo que meu avô (que nem cheguei a conhecer) pisou, ver, sentir o perfume, o cheiro dessa Terra e flores, ver sua gente, ouví-la, minha gente.
Encontramos nosso amigo português à hora do almoço e com ele fomos conhecer Telhado,  Midões e a família, momento que também não existem palavras para relatar.
Conheci o Mosteiro do Lorvão, sua clausura calma e serena,  o Café Turismo, compramos lembranças, ganhamos uma caixa de Nevada, que claro, precisávamos experimentar.
Foi muito rápida a estada em Penacova, um dia, que valeu por uma vida, deixando marcas que ficarão para sempre em meu coração.
Partimos para Lisboa novamente com destino para o dia seguinte à Sintra com toda sua ambiguidade: a imponência do Castelo da Pena, com seus ventos, sua ostentação e por outro lado o Convento dos Capuchos com aquela simplicidade que emociona, envolve, fazendo-nos buscar intimamente o que temos de mais simples. Conhecemos também o Castelo dos Mouros e sua vista panorâmica que faz voar a imaginação e extasiar-se com toda a beleza.
Após dois dias, pegamos o avião de volta ao Brasil, meu espírito em êxtase de tanta beleza, emoção, cultura, afetos.
Quando na tela de informação do avião mostrava a distância de Portugal que já não era mais visto, lágrimas começaram a correr pela minha face e embora tivesse muitas razões e laços à minha espera, meu coração dizia: fique, fique, fique.
Difícil para alguns, talvez mais fácil para outros. Entender sentimentos, eles não precisam ser entendidos, somente sentidos e respeitados.
Sei que amo Portugal, amos sua gente, sua história e hoje ele faz parte de mim tanto quanto o Brasil, através de minhas recordações, lembranças, videos, fotos, mas principalmente pelos laços que criei e os novos que faço virtualmente, e são muitos.
Sinto que cresci, após essa viagem tornei-me mais ainda estudiosa, faço muito mais planos, pretendo voltar o mais breve possível, estou tornando-me uma Internauta aos 52 anos.
De qualquer forma orgulho-me disso e fico muito feliz quando alguém, lusitano, pela Internet pergunta-me:  Heliana  és portuguesa ou brasileira?
Aí , como se diz no Brasil: É A GLÓRIA!!!!.
_________
Nota: Títulos da responsabilidade da Redacção do Penacova Online

3 comentários:

  1. Que lindo o texto escrito por minha mãe ;) Realmente tem hora que nem nós sabemos se ela é brasileira ou portuguesa hehehe abraços

    ResponderEliminar
  2. Um texto digno do livro do célebre escritor português Almeida Garret, “ Viagens na Minha Terra”.
    Tive o prazer de conhecer pessoalmente Heliana,Carlinhos,Drika e Ian , exactamente no dia 13 de Maio, data memorável para os católicos portugueses, pois comemora a primeira Aparição Marina em Fátima e para brasileiros, a comemoração da libertação dos escravos no Brasil. Combinamos o encontro no café Turismo. Quando entrei no café, tive de perguntar à empregada se, por acaso, não estava por ali um grupo de brasileiros ao que ela me respondeu afirmativamente, indicando a mesa da entrada onde estes tomavam o seu lanche. É caso para dizer que foi amor à primeira vista. Gerou-se de imediato uma enorme empatia, senti-me como se estivesse com gente que conhecia há muitos anos e com os quais tinha já uma grande intimidade. O à vontade que se gerou entre nós não tinha nada a ver com pessoas, até aí quase desconhecidas, mas sim uma atitude familiar ou de amigos de longa data. Depois deste encontro (de poucas horas) o nosso contacto manteve-se aproveitando a tecnologia que, felizmente, temos ao nosso dispor, como a internet. Ao longo deste tempo deu para perceber quão especiais são a Heliana e família, os laços que querem manter com a terra de seu avô em Portugal, o orgulho das suas origens. Diria mesmo que Portugal e Penacova em particular, tornaram-se uma obsessão para Heliana tal como o desejo de fazer muitos amigos por cá (e isso já ela conseguiu), só falta mesmo descobrir o resto da família.
    Por vezes coloca-se a questão se ela é brasileira ou portuguesa. Para mim é sem dúvida portuguesa, se não vejamos: gosta de bacalhau, gosta de música portuguesa (chora ao escutar o fado), gosta de poesia portuguesa, não há dia nenhum que não marque presença no Face Book ou nos blogues de Penacova, onde deixa sempre o seu comentário. Perante isto tudo, de brasileira só tem o sotaque.
    Terminando só posso dizer que, quando Heliana regressar a este cantinho da Europa à beira- mar plantado, vai encontrar muitos amigos que lhe darão as boas vindas, de braços abertos.
    O amigo, Óscar

    ResponderEliminar
  3. Também sou da tua opinião Óscar. A Heliana é uma presença constante em Penacova. Do outro lado do Atlântico, partilha as emoções com aqueles que vivem na terra que a viu nascer.
    De facto, as redes sociais conseguem concretizar uma das maiores necessidades do ser humano. Encurtar distâncias, permitir que familiares e amigos, ainda que virtualmente, se encontrem e partilhem o que de bom e de mau vai passando pela vida. No fundo, como boa portuguesa que é, a Heliana e não deixando de ser brasileira, tem o que de mais importante nos une, A SAUDADE.

    ResponderEliminar