sexta-feira, 26 de abril de 2013

Preventório de Penacova: notas para a sua história


 
 
Por volta de 1930 a Irmandade de N. S. da Guia aprova novos estatutos que lhe conferem  a categoria de  Misericórdia. Por acção do Dr. Sales Guedes, sendo Provedor o Dr. Luís Duarte Sereno, o sonho de criar um  Hospital em Penacova começa  a ganhar forma. Conta-se que foi ele próprio que elaborou o projecto do edifício aproveitando as paredes da capela de Nª Sª da Guia, com excepção da sua frontaria.
Terá sido  quando essa construção - no local onde depois se implantou o Preventório -  já estava avançada,  que Bissaya Barreto veio a Penacova a convite do Dr. Sales Guedes.  Bissaya Barreto visitou as obras e dado  que era sua intenção construir na zona centro  um Preventório, a ideia ficou a germinar. Passado pouco tempo a Junta Geral do Distrito, da qual  era Presidente,  propôs à Misericórdia de Penacova a cedência  do edifício em construção bem como do largo adjacente. Em contrapartida,  a Junta Distrital apoiaria  a construção e o funcionamento de um novo edifício hospitalar naquelas imediações, o que veio a acontecer. Esse edifício inaugurado por volta de 1933 e foi depois remodelado em 1961.

 
Em 25 Agosto de 1930 Bissaya escreveu  no Diário de Coimbra que a Junta Geral resolvera fundar um Preventório em Penacova “local que, pela sua situação e exposição, não tem igual em Portugal." O Diário de Notícias de 26 de Maio de 1932 publicou um artigo onde se podia  ler que “A Junta Geral do Distrito de Coimbra não podia ter encontrado, em termos da sua feitoria, para construir essa casa airosa, um sítio melhor, mais formoso e mais saudável.”
O Preventório de Penacova, o primeiro no nosso país, foi considerado como instituição modelar no combate à tuberculose, recebendo os filhos dos doentes -  dos 3 aos 12 anos - para evitar o contágio.  Poucos anos mais tarde, escreveu o Dr. José Albino Ferreira: “O Castelo que fora de grande poder defensivo contra os Mouros e a capela de N. S. da Guia bom farol para os navegantes, deram lugar a novas fortalezas contra as doenças, especialmente a tuberculose”.

 
Equipamento de Saúde mas também  de Educação: no Congresso Internacional de Protecção a Infância (Lisboa, 25 a 29 de Outubro de 1931) o Dr. Luiz Raposo referiu-se ao Preventório dizendo que se tratava de “um magnífico edifício”, estando  apetrechado com “os melhores requisitos” e podia receber uma média de 150 crianças, acrescentando : ” É dum encanto indescritível a paisagem que o cerca como outra mais bela não sei que exista em Portugal”.

 
Texto: David Almeida
Imagens: Acção Regional, 1932 [recolha de David Almeida]

1 comentário:

  1. Fomos criadas nesta instituição no ano de 1970 , eu Maria do Céu Santos e Maria Alice Barbosa e Anabela Herculano Tavares , Lurdes da Conceição Santos , Lurdes Bastos , Clara Simões , Renato , Carlos Quaresma , António Barbosa , Paulo Barata , Fernando Barata , Maria da Conceição Barata Lourenço , Lourenço Bastos , Luís , Rui , Carlitos , Quicas , Odete , Teresa ( que caíu no Mirante ) Matilde ( funcionária ) Manuela , a costureira surda muda , o sr Silvério ( jardineiro ) e muitos outros que passaram na nossa infância , deixamos aqui nossos nomes para que alguém mais se possa juntar a nós e organizar mos um futuro encontro , porque recordar é viver :-)

    ResponderEliminar