domingo, 28 de novembro de 2010

PSD de Penacova manifestou-se esta manhã, no Caneiro, contra a construção de uma mini-hidrica no Rio Mondego.

O PSD de Penacova manifestou-se esta manhã, no Caneiro, contra a construção de uma mini-hidrica no Rio Mondego.
Estiveram presentes os vereadores do PSD na Câmara Municipal de Penacova, o Engº Maurício Marques, vários membros da Assembleia M...unicipal de Penacova, Presidentes de Junta de Freguesia do PSD, membros da Assembleia de Freguesia de Lorvão e membros da Comissão política de secção do PSD e da JSD, além de populares preocupados com o rio Mondego.
Todos foram unânimes em condenar a intenção de construir a mini-hidrica no Rio Mondego, considerando também que o Partido Socialista de Penacova despreza os interesses do concelho ao ficar indiferente a esta intenção do Governo. ( Mauro Carpinteiro, página pessoal do FaceBook)
Esta manhã, no Caneiro, o PSD manifestou-se contra
Informação à imprensa: Mini - Hídrica no Rio Mondego
O PSD de Penacova manifesta  total discordância e desagrado pela anunciada concessão para a construção de uma Mini - Hídrica no Rio Mondego, num troço que abrange o concelho de Penacova, na zona entre a Carvoeira e a foz do Caneiro.
FOZ DO CANEIRO
(imagem de Arquivo / Penacovaonline)
O PSD de Penacova  pretende tudo fazer para impedir esta construção fortemente intrusiva no Rio Mondego.
Consideramos que o Rio é um elemento natural decisivo para o desenvolvimento do nosso Concelho. É ao Mondego que devemos o essencial da nossa marca identitário, a ele devemos os elementos mais determinantes da nossa definição enquanto comunidade, porque foi o Mondego que moldou as nossas tradições ancestrais e a nossa especial maneira de viver! Mas, sobretudo, é no Rio Mondego que reside grande parte da nossa esperança no futuro. O rio é uma reserva de água essencial. O rio é um reduto de beleza paisagística e natural, cuja preservação é decisiva para a nossa afirmação enquanto atracção turística.
Esta intervenção destruirá actividades de turismo de natureza como são as descidas de rio, ou a possibilidade e interesse de desportos de aventura também associados ao Rio. O que se pretende fazer colocará em causa os povoamentos de espécies piscícolas que constituem elementos típicos da gastronomia de Penacova, de que se destaca a lampreia. Como pode o Governo estar a investir 4 milhões de euros numa escada de peixe na ponte açude, em Coimbra, e permitir agora o surgimento destas estruturas que põem em causa a subida de peixes. Penacova, que tanto lutou pela escada de peixe, não pode agora assistir indiferente a intervenções no Rio que ponham em causa a utilidade da escada de peixe.
A construção da mini - hídrica destruirá, ainda, e irremediavelmente, um património paisagístico valioso para a nossa afirmação como destino turístico, destruindo assim uma fatia determinante do nosso potencial de desenvolvimento.
Não podemos permitir que,  em nome de um qualquer interesse económico ou necessidade de satisfazer as finanças públicas, se dê mais uma forte estopada no rio Mondego. Na realidade, a infra-estrutura que o estado concessionou visa tão só contribuir para o encaixe antecipado de receitas. Não podemos ignorar que, com as anunciadas concessões de mini-hidricas, previstas para vários pontos da região e do país, o Governo se propõe encaixar mais de 500 milhões de euros, que se destinam em exclusivo à satisfação de necessidades mais imediatas de receitas públicas. Parece óbvia a motivação do Governo. Trata-se de querer obter, tão rápido quanto possível, receitas, nem que para isso, por um lado, se destrua o património natural, comprometendo o desenvolvimento sustentável e, por outro lado, se agrave a factura energética dos cidadãos no futuro (ninguém deve ter dúvidas de que o valor a pagar pelas concessionárias ao Estado será por estas imputado na factura de electricidade a pagar pelos consumidores)
Por último, não podemos deixar de notar, com estranheza, o silêncio do Partido Socialista de Penacova.
Nem sequer vimos esta força política  solidarizar-se com as, aliás tímidas, tomadas de posição do Presidente da Câmara Municipal de Penacova (independente eleito nas listas do PS), sobre este assunto. O Partido Socialista de Penacova revela, assim, que está mais apostado em proteger os intentos do Governo do que em defender os interesses do Concelho de Penacova. Uma atitude pouco própria de quem  recebeu a confiança dos penacovenses, há pouco mais de um ano,  precisamente para defender os seus interesses.
 A Comissão Política de Secção do PSD de Penacova

1 comentário:

  1. Parabéns pela inciativa boa gente de Penacova, os políticos e dirigentes das comunidades que já estão envolvidos, volto a afirmar minha solidariedade ao movimento e sugiro que se não encontram força na atual administração, que vão mais além, para isso existem muitos meios inclusive órgãos internacionais de preservação à natureza, já fiz um movimento aqui em Catanduva por causa da poluição das Usinas de Açucar, olhe que é gente muito poderosa, mas acionei o Governo Estadual, Federal, é foi parar em Brasília, ameacei levar aos órgãos internacionais e acreditem, deu resultado, pararam de queimar a cana irregularmente como faziam, a força de todos, as intenções justas têm que ser vitoriosas, não vivemos mais num mundo de primatas que não tem inteligência e elevados e desenvolvidos razão e sentimentos. Portanto, desculpem as duras palavras, mas não desistam, vão conseguir e danem-se os interesses escusos.

    ResponderEliminar