segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Crónicas do Brasil (II)

E o Rio de Janeiro continua...
                                             
A imprensa internacional destaca guerra do Rio contra o crime organizado; O jornal americano The New York Times ressaltou que o Rio será palco de eventos importantes, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2010; já o parisiense Le Figaro destacou o número de mortos; o equatoriano El Commercio trouxe o assunto como o mais importante de sua seção internacional; o jornal português Publico traz o assunto em sua capa na versão internet e também na versão impressa. E assim mais uma vez o Brasil é noticiado.
As ações dos criminosos no Rio de Janeiro atentam contra o estado democrático de direito. Mas, para que o estado democrático de direito não enfraqueça, tais ações criminosas precisam ser combatidas dentro dos marcos legais, sem execuções sumárias, sem torturas e sem vinganças
A cidade mais bela do Brasil é palco de uma guerra social, que surge como resultado de anos e anos de um Estado promíscuo, que mantinha um “certo relacionamento respeitoso” com os bandidos. E por essa – vamos dizer – “amizade”, foi feita vista grossa ao avanço maciço da criminalidade, com tráfico de drogas e crime organizado, bandidos fortemente armados, se tornando os “xerifes” dos morros, mandando e desmandando no Rio de Janeiro.
O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo Vanucchi, afirmou que as ações dos criminosos, incendiando ônibus e metralhando cabines de política, são um atentado ao estado de direito. Ele acha fundamental que haja solidariedade da sociedade no enfrentamento do crime organizado.
“É fundamental que a força policial seja mobilizada para enfrentar, combater e neutralizaras as ações desses criminosos, mas sempre dentro dos marcos legais, que não permitem execuções sumárias, tortura e nem vingança. É prender e levar”, disse.
 “Agora, no contexto de uma batalha deste tipo, é muito difícil encontrar ouvidos sensíveis, porque se trata de uma situação de que quem está defendendo a lei está sendo alvo de tiros de bandidos. E na hora em que há um ataque dessa proporção, a polícia tem que reagir sem, no entanto, deixar de se ver como defensora dos direitos humanos. Porque ela defende a vida, o direito das pessoas não serem sequestradas, assaltadas e mortas", completou o ministro.
Divididos em três grupos, Comando Vermelho, Comando Geral e Amigos dos Amigos, os marginais colocaram a sociedade carioca como refém, impondo toques de recolher á escolas e ao comércio local, tomaram conta de tudo, sem receio, originando assim um governo paralelo ao estado democrático.
Mas o cenário começou a mudar com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (as UPPs) que ofereceram resultados visíveis e extraordinários, com apoio irrestrito da população.
O carioca se sentiu protegido, cidadão. Comunidades que eram apartadas dos serviços básicos essenciais, hoje possuem uma realidade diferente. O banimento da violência nos morros propiciou a liberdade do ir e vir desses cidadãos.
Essa mudança não seria tranqüila, com o encurralamento das quadrilhas, elas certamente revidariam e revidaram. Veio numa onda terrorista e de vandalismo, com arrastões, assaltos e incêndio de veículos, que visavam fundamentalmente espalhar o medo e intimidar as autoridades. O império do tráfico, que por anos entendeu que estava tudo dominado, quis tomar de volta o que perdeu. Mas a resposta da sociedade – por mais dolorosa e arriscada que possa parecer nesse momento – deve ser a da resistência.  A hora é agora! O controle territorial do Rio não pode seguir nas mãos de marginais como ocorreu no passado recente. A falsa ideia de que a via do entendimento com esses bandidos é uma alternativa possível não deve prevalecer. A polícia fluminense precisa seguir avançando, sem fraquejar, no encalço daqueles que se imaginavam imunes à lei, expulsando-os do convívio social.
E temos que ressaltar... O Rio de Janeiro continua lindo, O Rio de Janeiro continua sendo, o Rio de Janeiro, Fevereiro e Março. Alô, alô, Realengo aquele abraço! Alô torcida do Flamengo aquele abraço... (Aquele Abraço – Gilberto Gil)
Bia Montes, jornalista

1 comentário:

  1. Texto muito bem feito e até realista, esquecendo-se apenas de informar que os problemas de uma forma geral são mais "profundos", tudo isso começa com a corrupção inclusive no meio policial e no que é pior, político, haja vista o dinheiro público mal direcionado, as verdadeiras quadrilhas que existem no meio governamental que muitas vezes envergonham a nós brasileiros, como esperar justiça, sentimento de respeito e solidariedade de pessoas que cresceram marginalizados, sem recursos de atendimento médico e até saneamento básico, o problema no Brasil é bem maior que o Rio de Janeiro. Justo as providências que se tomam hoje, deveriam e poderiam ter sido tomadas bem antes, porém algum interesse escuso as impediam. Os presos no Brasil vivem de forma esumana e cruel também, não existe um trabalho de reabilitação decente, cadeias superlotadas de onde saem piores do que entraram. E o Governo tem inúmeros projetos para reformar e construir estádios milionários paraa Copa do Mundo, num país onde a Região Noreste e Norte abrigam analfabetismo e péssimas condições de vida e educação. Portanto meus caros amigos, ainda há muito por se fazer, e ainda bem que conamos com muitas pessoas de bem que fazem milhares de projetos sociais nos quais muitas crianças e jovens são orientados a sair da violência e são protegidos em sua miséria alimentar e cultural.

    ResponderEliminar