quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Apontamentos sobre o Apocalipse de Lorvão ( II)

E outro anjo saiu do templo,
clamando com grande voz
ao que estava assentado sobre a nuvem:
 Lança a tua foice, e sega;
a hora de segar te é vinda,
 porque já a seara da terra está madura.

Apocalipse 14:15
A iluminura é um modo de apreensão do conhecimento procurando atingir o invisível através daquilo que é visível.
Com o aumento da procura dos livros, os copistas começaram a requintar o seu trabalho. Aumentou-se o tamanho e deu-se cor e enfeite às letras iniciais. Posteriormente colocaram-se outros ornatos nas margens das páginas e, finalmente, introduziu-se a iluminura (ou miniatura) onde as imagens e cores tinham uma simbologia própria.
As obras eram produzidas nos Scriptorium, onde os monges se ocupavam da cópia do texto e da sua "iluminação". Quanto maiores as posses dum mosteiro, maior a possibilidade de terem uma boa biblioteca e um bom scriptorium.
As “folhas” eram feitas de pele de animais que depois de tratadas formavam os “bifólios”. Para as cores, tinham de ser preparadas as tintas a partir de pigmentos. Primeiro eram aplicadas as cores pálidas e as camadas mais vivas. Só depois as cores mais fortes; a seguir, os contornos a preto ou castanho-escuro e, no final, os detalhes nas folhagens e personagens, feitos com um pincel fino. As cores predominantes eram o vermelho, o azul e o dourado. 
Em Portugal existiram três importantes scriptoria: Santa Cruz de Coimbra, Alcobaça e S. Mamede de Lorvão. Foi neste mosteiro que foram feitos os manuscritos mais ricos e criativos em imagens sagradas deste período: o Apocalipse de Lorvão e o Livro das Aves.
Recorde-se que em Outubro a UNESCO inscreveu no Registo da Memória do Mundo o conjunto de manuscritos dos Comentários do Apocalipse de Beato de Liébana existentes na Península Ibérica: dois portugueses «Apocalipse de Alcobaça» e o «Apocalipse de Lorvão»  - único «Beato»  ilustrado existente no nosso país - e nove espanhóis, em resultado de uma candidatura conjunta de Portugal e Espanha, apresentada em 2014 e intitulada Manuscritos do Comentário do Apocalipse (Beatus de Liébana) na Tradição Ibérica.
A nível europeu chegaram até nós cerca de 34 cópias, entre as quais 27 iluminadas. Estes códices são também conhecidos como “Beatos” por conterem a cópia do «Comentário ao Apocalipse» atribuído ao monge Beato de Liébana, que viveu nas Astúrias na segunda metade do século VIII.
Uma das ilustrações mais conhecidas do Apocalipse de Lorvão é a colheita e vindima representando Cristo - o juiz - com a coroa da vitória que, de foice em punho, se prepara para ceifar a seara seca, envenenada pelo pecado, apenas prestando para alimentar o fogo.
Como sabemos, na Bíblia o Juízo Final é comparado à ceifa e à vindima. Por isso, também um anjo aparece com uma foice na mão, cortando os cachos envenenados pela rebeldia humana e lançando-os no lagar da ira de Deus, onde são pisados e espremidos”. 

Sem comentários:

Enviar um comentário