sexta-feira, 2 de outubro de 2015

CARTA BRASILEIRA DE OUTUBRO: O PRIMEIRO PÊSSEGO

Meu caro amigo, me perdoe por favor se eu  não lhe faço uma visita. Mas o que eu quero lhe dizer é que antigamente, poucas casas tinham garagens, havia quintais, com espaço para as crianças brincarem. A casa de meus pais ocupava um terreno 20x40, onde  plantavam de tudo um pouco, alface, couve, repolho, chicória, almeirão, espinafre, cenoura, tomate, cebolinha, cheiro-verde e tomate. Havia espaço para árvores, uma enorme mangueira, mamoeiro, limão-china, um pé de tangerina, três laranjeiras, chuchu, parreira, uma touceira de cana caiana, figueira, pessegueiro, galinheiro, uma colmeia, e muitas bocas para comer.
O pessegueiro, por ser mais novo ou por exigir algum cuidado especial, demorou para frutificar. Um belo dia, apareceu uma flor. Depois, uma pequena fruta. Começamos a namorá-la. Sem que ninguém combinasse, decidimos, o primeiro pêssego seria de mamãe.
Os cuidados eram de todos. Se alguém jogava uma pedra, logo ouvia um grito: “cuidado com o pêssego da mamãe”. E assim foi,  com fruta  crescendo, o verde começou a amarelar. Um dia, sumiu do pé.  Alguém deveria tê-la colhido e dado a ela.
Quisemos saber dela como era, se doce ou azeda, que gosto teria. Ela não havia comido, guardara para nos mostrar. Descoberta por um passarinho, estava toda bicada. Contou-nos que a pegara caída, cheia de formigas. Fiquei endoidecido. Mas como os  bichos foram fazer aquilo? Peguei minha arma, um estilingue, sai ameaçando, esmagando formigas pelo caminho, naquele momento, matar o passarinho seria pouco. Mamãe interrompeu-me. O importante, ensinou-nos, foi termos visto o pêssego crescer, e o cuidando que tivemos.
CLIQUE NA IMAGEM PARA VER VÍDEO

Hoje, quando vejo na quitanda, ou no supermercado, a gôngula cheia de pêssegos, penso no quintal da minha casa, na penca de irmãos, nos ensinamentos de minha mãe, nos passarinhos e até nas formigas. Ainda bem, tenho coisas boas em que pensar, porque “coisa está preta”, é pirueta pra cavar o ganha pão, que gente vai cavando só de birra e só de sarro.
"Meu Caro Amigo", uma das canções de Chico Buarque que critica o regime é uma carta em forma de música, uma carta musicada que ele fez em homenagem ao Augusto Boal, que vivia no exílio, quando o Brasil ainda vivia sob a regime militar, lançada em 1976. 


P.T.Juvenal Santos



1 comentário:

  1. É, muito bom Mano.
    Tinha um pé de pêssego na nossa casa, ele ficava bem em frente onde hoje é a janela da cozinha. Bem eu o vi morrer, ficou seco, mas antes de sua queda final ainda deu o ultimo pêssego, na qual eu saboreie.
    Parabéns pela matéria.

    ResponderEliminar