terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Mosteiro de Lorvão espoliado: o que subsiste comporta um ínfimo teor do que foi roubado...


Mencionada no Paroquial Suevo, ou, Divisio Teodemiri – redigido entre 572 e 582-585 -, como uma das sete zonas pastorais da diocese de Conímbriga, Lurbine teve pujante cristandade, desde remota idade, como documentam as fontes arqueológicas e narrativas; e, do mosteiro paleocristão, em que era abade, veio o primeiro bispo conhecido, Lucêncio, que, nessa condição, assina as actas do 1º e do 2º concílio provinciais de Braga, realizados em 561 e 572, respectivamente.
Com a invasão e ocupação do território, actualmente português, pelos Muçulmanos (713-717), campeou a desorganização das estruturas sociais estabelecidas e, embora muitas comunidades eclesiais mantivessem a fé, de maneira bastante precária, o directo contacto com a civilização islâmica levou à geral arabização dos cristãos, ficando chamados Moçárabes.
Tal circunstância motivara o desaparecimento das principais autoridades civis e religiosas, porém, as campanhas militares de Afonso III, de Leão, reconquistaram Coimbra, em 878, e, fazendo repovoar as áreas anteriormente ocupadas, incrementaram o ressurgimento público da vida celebrativa, comprovada na multiplicidade de ermidas, igrejas e mosteiros entretanto fundados e constituintes de novas paróquias rurais.
Foram essas, de facto, as origens históricas desta veneranda casa monástica, desde início dedicada a São Mamede e São Pelágio, só por si afiançadores de um culto deveras antigo, a qual, nos começos do século X, em 907, é, também, um importante centro cultural, de povoamento e colonização, cujo crescente prestígio perdurara, mesmo sob domínio islâmico, pós as razias de Almançor, em 987, que o respeitou e dispensava de pagar o tributo exigido a todas as outras instituições cristãs.
Sempre habitado por monges, a regra beneditina foi ali introduzida, em 1051. Tendo vivo alento a comunidade, após a 2ª reconquista cristã de Coimbra, por Fernando Magno, em 9 de Julho de 1064, as sucessivas doações recebidas trouxeram-lhe máxima prosperidade, a ponto de Dom Henrique e Dona Teresa o terem doado, em 29 de Julho de 1109, à Sé de Coimbra, que vivia em manifesta penúria, sem ter, ao menos, as necessárias alfaias de culto.
Quando foi anulado o casamento de Dona Teresa (filha de Dom Sancho I), com Afonso IX de Leão, a infanta-rainha regressou a Portugal e procurou fazer vida claustral. A pretexto do pretenso relaxamento do mosteiro, expulsou os monges que, em parte, seguiram para Pedroso; apelando, estes, para Roma, a Santa Sé considerou o procedimento ilegal, mas, deu razão à infanta que, ali, quis ter acolhimento.
Para satisfazer o ensejo, a casa monacal foi-lhe entregue, em 24 de Dezembro de 1200, pelo rei, acompanhado pelo bispo de Coimbra, Dom Pedro, e pelo Dom Abade de Alcobaça, que lhe lançou o hábito de São Bernardo, assim como a outras senhoras, que a acompanhavam, na clausura. Dessa data até 1206, admitiu religiosas cistercenses e dedicou a instituição a Santa Maria.
Falecida em 18 de Junho de 1250, lá foi sepultada, na igreja, junto do túmulo da irmã, Dona Sancha, cuja ossada trouxera de Celas, onde esta havia fundado um mosteiro, muito semelhante.
Devido às virtudes exercidas, de maneira heróica, e pelas intervenções consideradas milagrosas, de comprovada autenticidade, foi beatificada, com as irmãs, pelo Papa Clemente XI, através da bula Sollicitudo Pastoralis Officii, de 13 de Dezembro de 1705.
Há, ainda, duas outras famosas personagens acolhidas a esta casa monástica: a infanta Dona Branca, filha de Dom Afonso III e heroína do poema homónimo, de Almeida Garrett, e Dona Maria Brandão, inspiradora de Crisfal.
Graças aos plúrimos benefícios e privilégios acumulados, o mosteiro mantinha o padroado, com direitos reais, sobre Botão e Esgueira, e fazia a apresentação dos vigários para as igrejas de Abiul, Almoster, Boidobra, Botão, Brasfemes, Cacia, Couto de Cima, Esgueira, Foz de Arouce, Salreu, Santiago da Guarda, São Martinho de Árvore, Sazes de Lorvão, Serpins, Souselas, Torre de Vilela, Treixedo e Lorvão.
Por decreto de 1834, foi proibido de receber noviças e, por força da morte lenta, desse modo preparada para extinguir as ordens religiosas femininas, ficou privado de meios de subsistência – denunciados por Alexandre Herculano –, sofreu extrema miséria e teve o falecimento da última freira em 8 de Julho de 1887.
Maioritariamente, os bens patrimoniais, acabados de registar, pertencem às antigas dependências monásticas, entregues à paróquia, e constituem uma ténue amostragem do muito que havia, pois, a dispersão de altares de talha e de imagens, pelos lugares vizinhos e pontos distantes da diocese, manifestam o desmantelamento sofrido, enquanto algumas boas esculturas calcárias, quatrocentistas e quinhentistas, terracotas seiscentistas e estofadas setecentistas atestam o poderio económico das encomendantes e os óptimos critérios estéticos seguidos, igualmente testemunhados na variada paramentaria deixada, nos poucos objectos de metal, nas pinturas, executadas sobre madeira e tela, e nos restantes objectos, incluindo painéis azulejares, das últimas centúrias indicadas.
Realmente, o que subsiste comporta um ínfimo teor do que foi roubado: os inestimáveis pergaminhos, manuscritos e códices membranáceos medievais, como o Liber Testamentorum e o comentário ao Apocalipse, levados para a Torre do Tombo; os incunábulos da Vision Delectable, de 1480, e da Vita Christi, impressos em Lisboa, em 1498, encaminhados para a Universidade; as alfaias, lambris, pratas e paramentos incorporados nos museus estatais; e o mobiliário abacial, também integrado num específico, lisboeta.
Bastantes outros tiveram a rapina de conceituados gatunos, como sucedeu aos riquíssimos valores levados para exposições nacionais, na capital, que jamais voltaram, e às centenas de quilos, em prata, dos objectos fundidos na Casa da Moeda e pilhados do santuário, que continha muitos bens alcobacenses e incluía espécimes em ouro, medievais, ocorridos na segunda metade do século XIX.
Já, por diferentes meios, intelectuais de Coimbra e magnates citadinos recorreram a carros de bois para fazerem transportar, quanto puderam carregar, para as próprias casas, num autêntico fartar de vilania liberal e maçónica: esta caterva de gente reles teve o desplante de deitar, ao riacho contíguo ao mosteiro, a biblioteca e o recheio do velho cartório, deixado das escolhas efectuadas sob ordens dos mesmos criminosos de lesa-cultura nacional, evocando defendê-la.
Visto bem, o sucedido, a destruição da memória, a traição cometida e a desfaçatez dos estatizantes hodiernos, em persistirem na posse ilegítima destes pertences da(s) igreja(s) espoliada(s) é a demonstração mais perfeita de todos eles permanecerem vinculados na mesma irmandade e na igual tacanhez mental, geradora de feudos nefandos, porque rogadas na ostentação indevida do quanto preconizam, contraditoriamente: a separação da Igreja do Estado, mas, dizendo seu o que é dos fiéis cristãos e das suas comunidades paroquiais.
José Eduardo R. Coutinho
29 de Outubro de 2008
Fonte :   correio de coimbra
NB: Título da nossa responsabilidade

1 comentário: