domingo, 20 de fevereiro de 2011

As bilobites de Penacova

Já lá vão uns bons anos, enquanto estudante de Coimbra, que em visita ao Museu Mineralógico e Geológico da Universidade, fomos surpreendidos por uma lage-painel (com cerca de 2x3 m, se bem nos recordamos) de bilobites com a indicação de origem de Penacova. Por diversas vezes nos vinha à memória aquela estranha amostra geológica e o desejo de voltar àquele museu.  Hoje, por mero acaso, é com satisfação que, nas nossas pesquisas na internet, nos aparece uma fotografia da mesma e que partilhamos com os nossos leitores.

Grande lage com Cruziana colectada em Penacova patente numa parede do Museu Mineralógico e Geológico de Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Coimbra.

Aqui fica também parte de um texto publicado pela Câmara Municipal, aquando da Candidatura da Livraria do Mondego a Maravilha Natural e que nos ajuda a perceber como pode aparecer em Penacova este vestígio de fundos marinhos.

Há 500 milhões de anos a região do Buçaco, bem como toda a Beira Baixa, Beira Alta e região duriense, esteve coberta pela água de um mar que já desapareceu há muito e a que os geólogos chamam de Rheique. Na verdade cobria quase toda a Península Ibérica e era um mar raso de areias brancas, camada sobre camada, em águas transparentes com algumas zonas um pouco mais profundas e algumas ilhas não muito elevadas. Os areais extensos e os fundões mais lamacentos ou pedregosos perdiam-se de vista. Nestas areias e lamas viviam uns artrópodes marinhos, as Trilobites, que eram os seus principais habitantes. E foi nestas areias, tal como se interpreta hoje, que deixaram longos rastos das suas caminhadas, as bilobites.
Quando estes fundos foram apertados pela colisão de dois grandes continentes então existentes, começaram a ficar arqueados até serem completamente enrugados como as dobras de uma concertina. Contudo os fechos dessas dobras eram mais redondos tal como grandes caleiras ou como se estivéssemos a ver o ondulado de um velho telhado feito com telha lusitana.
Uma dessas grandes caleiras, a que os geólogos chamam sinclinais, constitui a Serra do Buçaco. Os dois bordos do sinclinal, por serem constituídos por aquelas areias endurecidas (quartzitos) ficam salientes no relevo, resistindo ao desgaste da chuva e do vento (erosão) e preservando o perfil da Serra, desde há muitos anos. O lado poente do sinclinal está mais partido e retalhado do que o lado nascente. No lado poente, desde o Penedo do Castro até aos Moinhos de Gavinhas e daí até Ponte da Mata, o alcantilado está muito segmentado. No lado nascente, desde o Luso, Cruz Alta, Moinhos da Portela da Oliveira até ao Mondego e daí até muito mais a sudeste, os quartzitos resistem e fazem um caminho quase contínuo. No fundo do sinclinal que se percorre por estrada antiga, pode descer-se desde Sazes passando pela Espinheira, Galiano até Penacova. Tudo isto foi detalhadamente estudado por Nery Delgado no séc. XIX e no princípio do séc. XX, tendo deixado como resultado desses trabalhos alguns mapas de grande beleza e rigor.
Nas fragas que o Mondego atravessa, os quartzitos estão cortados e mostram em qualquer das suas margens, mas especialmente na margem norte, as camadas de quartzitos verticais, como fiadas de prateleiras de livros da velha biblioteca da Universidade de Coimbra. Aqui, o espectáculo das antigas areias postas ao alto, hoje quartzitos, mereceram a designação de Livrarias do Mondego, pela sua beleza e pela posição particular em que se encontram, constituindo um património geológico e turístico que deve ser divulgado e preservado e não deve deixar de ser visitado.


Município de Penacova - Nota de Imprensa Janeiro de 2010

2 comentários:

  1. Olá pessoal do penacovaonline!
    Apsar de gostar de ler as páginas deste bloge, o blogue do meu concelho, gostei dete tema da "Livraria do Mondego" que me faz recordar, ainda, a minha infância.

    Um abraço e continuem assim

    ResponderEliminar
  2. Obrigado José Sousa. O Penacova Online está receptivo à publicaçãp de memórias suas sobre Penacova.Envie que publicaremos.
    Cumprimentos
    David Almeida

    ResponderEliminar