quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Cartas Brasileiras: Cada um com sua mania


Em 1925, o médico Dr. Mariano Dias (nome de peso no espiritismo brasileiro), meu bisavô e avô maternos, tios-avôs e outros parentes, fundaram em Barretos (SP- BR), a “União Evangélica Fé e Esperança”, com a finalidade de congregar pessoas para o estudo e prática do espiritismo, constituir uma biblioteca, manter um posto-médico-homeopático, uma farmácia, que fornecia medicamentos gratuitos aos necessitados, e um asilo destinando à assistência e tratamento de alienados.
Na foto é possível identificar e nominar os meus parentes, mas deixemos isso de lado.
Quando crianças, com meus irmãos e primos, atravessávamos uma pinguela de madeira, estreita e comprida, sob a proteção de uma legião de anjos, para buscar cheirosas mexericas no Asilo dos Loucos. Íamos também para lá com nossos pais. Enquanto os adultos cuidavam das coisas ou participam de grupos de orações, nós perambulávamos pelo asilo.
Havia louco de todo tipo, os mais agressivos eram isolados, uns tinham que ser submetidos à camisa-de-força. Outros arrancavam a roupa toda, preferiam deitar no chão, tendo cama na cela. Havia uns calmos, ficavam soltos perambulando pelos corredores e quintal, buscavam contato com as visitas, se aproximavam, chegavam rindo.
Havia uma louca que gostava de comer caixa de papelão de pasta de dente. As de casa eu guardava e levava para ela.
É, cada um com sua mania. 
Cuidava do asilo a Sra. Anna Joaquina Gomes Ribeiro, minha tia-avó, o marido (Tio Antônio) e seus filhos. Ela ficou conhecida na nossa cidade como Dona Ana, virou Donana, e para nós Vonana.
Ela tinha uma mania, fazer o bem.


Sem comentários:

Enviar um comentário