domingo, 11 de novembro de 2012

Vem-nos à memória uma [história] batida...


A Evolução da Albarda,
 in a Paródia, Julho de 1900
Gravura Col. Alexandre Ramires
clique na imagem para ampliar
O mote para o título deste apontamento vem de Sérgio Godinho que cantava: Vem-me  à memória uma frase batida, hoje é o primeiro dia do resto da tua vida...

Rafael Bordalo Pinheiro deu o nome de Zé Povinho à figura simbólica (1875) através da qual pretendeu captar a verdade íntima dos mais numerosos, pobres e anónimos portugueses daquele seu tempo – recorda-nos Amadeu Carvalho Homem no seu recente livro, Memorial Republicano, editado pelo Município de Coimbra. Escreve também este autor: “O destino do Zé Povinho foi adivinhado por Bordalo Pinheiro desde o primeiro esboço: enquanto o mundo se transforma em mil novas mutações, o Zé, bem povinho e ignaro, ‘fica sempre na mesma’".
No entanto, recorda ainda A. C. Homem, "é capaz de arregalar um olho de alimária à beira de um coice vingador. E, sobretudo na cerâmica de Bordalo, o famoso "manguito" dar-se-á como sinónimo de uma clarividência sem teoria, sim, mas apesar de tudo, sábia, no desvendamento, mais intuído que demonstrado, de cumplicidades pulhas, de poderes apodrecidos e de bastidores corruptos".
Deixamos aqui este cartaz que tem 112 anos...palavras para quê? Cada um fará a sua leitura e reflexão.

Sem comentários:

Enviar um comentário