quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Colóquio "Mosteiro de Lorvão: o Futuro da Memória"

Adaptação de cartaz do evento
No âmbito das Jornadas Europeias do Património e do Dia Mundial do Turismo, o Município de Penacova promoveu hoje no Mosteiro de Lorvão o Colóquio "Mosteiro de Lorvão - O Futuro da Memória".
A iniciativa teve o apoio da Junta de Freguesia de Lorvão, da Associação Pró-Defesa do Mosteiro de Lorvão e da Filarmónica Boa Vontade Lorvanense.
O Colóquio, que contou com a presença do Prof. Doutor Nelson Correia Borges, da Prof. Doutora Fernanda Cravidão, do Arquitecto Fábio Nogueira e, em representação, da Direcção Regional da Cultura, do Dr. Artur Côrte-Real, tinha como objectivo lançar o debate sobre a futura utilização das instalações (Grande Dormitório do séc. VII) que durante cinquenta anos albergaram o Hospital Psiquiátrico.
A intervenção do Prof. Doutor Nelson Correia Borges teve como tema "A memória do património edificado". Aquele historiador traçou as linhas gerais da história mais longínqua de Lorvão, recordando que nesta localidade foi encontrado um machado neolítico, bem como uma inscrição atestando a existência de uma villa romana. Outro achado que se poderá entender como "a certidão de nascimento" do mosteiro foi uma pedra tumular visigótica. Referiu ainda as diversas fases da arquitectura do conjunto monástico até ao séc. XVIII. Um dos muitos aspectos que referiu foi o facto de, no caso de Lorvão, existir uma "harmonia perfeita entre o conjunto de construções e a natureza envolvente". Defendeu a recuperação do scriptorium que teve um papel importantíssimo na vida do mosteiro e de que são exemplo as célebres iluminuras lorvanenses.
A Prof. Doutora Fernanda Cravidão, catedrática de geografia, acentuou a ideia de que a valorização do património só faz sentido se este for colocado ao dispor das populações. Apontou como hipótese de aproveitamento do edifício, a instalação de uma Companhia Residente, no domínios das artes (Teatro, Música ou outras) bem como a instalação de um museu local, ou ainda como espaço de Forum Cívico.
O Dr. Artur Côrte-Real, arqueólogo,  apresentou a experiência muito positiva da recuperação do Mosteiro de Santa Clara a Velha e das dinâmicas desenvolvidas no sentido da criação de públicos, já que Património e Turismo são dois aspectos que cada vez mais são indissociáveis de projectos bem sucedidos.
Por sua vez, o Arquitecto Fábio Nogueira, penacovense, apresentou o tema "Lorvão: um Olhar do Mosteiro para a Vila" salientando a "decadência" do Centro Histórico e apontando aspectos de completo desordenamento quer nos espaços públicos (ribeira, arruamentos, mobiliário urbano, placas toponímicas...), quer nas edificações privadas (caixilharias, rebocos, coberturas, degradação...). Em síntese, demonstrou que a qualificação do Mosteiro implica necessariamente a qualificação da Vila e considerou urgente a elaboração de um Plano de Salvaguarda.

No contexto destas comemorações, actua amanhã no auditório da Biblioteca Municipal de pelas 21H30, o Ensemble de Saxofones de Coimbra.

David Almeida


Sem comentários:

Enviar um comentário