sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Cartas Brasileiras: A Ditadura e a Música

Os regimes totalitários, ditaduras, governos de exceção, ao reprimirem a livre expressão popular se transformam em campo fértil para a criação dos artistas, na música, no teatro, no cinema e na literatura.
Se a regra é geral, imagem quanto o povo oprimido conta com uma casta de compositores e autores, como nunca parece ter existido, todos de uma só vez, em uma mesma geração! Assim se deu no Brasil; manifestações caladas pelo Regime Militar que imperou de 1964 a 1985, criações de uma geração de ouro. Deu no que tinha que dar, muita gente tendo que fugir “num rabo de foguete” (avião)
Para não serem presos os artistas deixaram o país, uns fugindo mesmo, outros foram “convidados” a fazê-lo. Não vou escrever muito para mostrar a imagem do Brasil naquela época, se uma imagem vale mais do que mil palavras,  vale muito cantada.
No começo da ditadura brasileira, a exemplo do Festival de Cannes (França) aqui também eram realizados festivais; a censura era ainda leve, o povo estava começando a experimentar o novo regime.
 
 A Banda  (Chico Buarque) – Intérprete: Chico Buarque

A BANDA clique na imagem para aceder a vídeo
No primeiro festival (1966) realizado pela TV Record (SP), venceu a maravilhosa, nostálgica e bucólica “A Banda”, de Chico Buarque, cantando um tempo maravilhoso, tempo de saudade, não como o tempo que então se vivia. A beleza da música não permitiu que “vissem” a verdadeira mensagem.

 Disparada (Téo de Barros – Geraldo Vandré)  1966 – Intérprete: Jair Rodrigues 



DISPARADA  clique na imagem para aceder a vídeo
Em segundo lugar, “Disparada”, com mensagem mais direta: “e no sonho que fui sonhando, as visões se clareando... até que um dia acordei... porque gado a gente marca, tange ferro, engorda e mata, mas com gente é diferente; se você não concordar não posso me desculpar, vou deixar você de lado, vou cantar em outro lugar”.

 Sabiá ( Chico Buarque – Tom Jobim)  - Intérprete: Quarteto em Si


SABIÁ  clique na imagem para aceder a vídeo
Em 1969, no Festival Internacional da Canção, promovido pela TV Globo, da qual já se dizia ser a “voz do regime”, venceu Sabiá de autoria de ninguém mais do que dos “adorados” e “venerados” Chico Buarque e Tom Jobim. O vídeo mostrará a reação do público, gritando “marmelada”, que no Brasil, além do doce feito com o marmelo, quer também dizer  conchavo, acordo, conluio; queriam a música de Vandré.

Pra não dizer que não falei de flores  (Geraldo Vandré) 1968 – Com Geraldo Vandré



P´RA NÃO DIZER...
clique na imagem para aceder a vídeo
Era a música preferida do público; dizem que a censura  assim não quis. Vandré provoca o poder a partir do título da música, porque nela ele até fala de flores. A música é também conhecida como “Caminhando”. A repressão calava o povo que ficava a esperando que alguma coisa pudesse acontecer.
Então cantou Vandré
“vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer.” 
Depois do festival a música foi proibida; Vandré teve que ir embora, quando voltou, com o fim da ditadura, nunca mais cantou. Já havia cantado “o necessário”.                       
 
Apesar de você – Chico Buarque – 1970 – Intérprete: Chico Buarque & MPB4  
APESAR DE VOCÊ
clique na imagem para aceder a vídeo
Chico Buarque teve ser o compositor com mais músicas proibidas, porque censuradas pelo regime. Contudo, nem sempre o censor captava de “primeira vista” o verdadeiro significado da poesia. Foi o que aconteceu com “Apesar de você”. Quem ouve a música, hoje, terá a nítida impressão de que ela fala sobre as mágoas de um jovem com a amada. Não é disso que se trata a música. Apesar de você presidente, amanhã há de ser outro dia.
Era puro protesto. O final genial diz: “você vai se dar mal, etc. e tal”. Esse “etc. e tal” é tudo aquilo que Chico gostaria de dizer, em palavras de baixo calão, que cada um imagine quais seriam conforme os costumes locais.    

Meu caro amigo (Chico Buarque. Francis Hime) – Intérprete: Chico Buarque


MEU CARO AMIGO  clique na imagem para aceder a vídeo
Nessa música, novamente a genialidade de Chico, na gostosa música de Francis Hime. Como já dito, muitos haviam ido embora do Brasil, obrigados ou “aconselhados”; no exterior se encontravam os integrantes da  fina nata da música brasileira. Chico que também teve que partir, compôs músicas assinando  Julinho de Adelaide, tentando ludibriar a censura, sempre atenta ao nome dele. Em “Meu caro amigo”, Chico envia mensagens ao amigo  e compositor Augusto Boal,  outro exilado.
Diz ele: “ aqui na terra tão jogando futebol, tem muito samba, muito choro, rock’n... mas o que eu quero-te dizer é que a coisa aqui ta preta.” (Aqui estar preta significa dizer que está feia). Fala sobre a censura: “acontece que não pode te contar as novidades”. E outro trecho: “quis até telefonar, mas a tarifa não tem graça”.  E fala da censura no Correio. 
 
Cálice – (Chico Buarque – Gilberto Gil) –Intérpretes: Chico e Caetano Veloso

CÁLICE  clique na imagem para aceder a vídeo

O titulo é trocadilho, cálice por outra expressão com mesma sonoridade: cale-se.
 
O Bêbado e a Equilibrista 1978(João Bosco, Aldir Blanco) –Intérprete: Elis Regina


O BÊBADO ....clique na imagem para aceder a vídeo
A música se tornou o hino da abertura.


Caía a tarde feito um viaduto

E um bêbado trajando luto

 Me lembrou Carlitos

A lua, tal qual a dona do bordel

Pedia a cada estrela fria

 Um brilho de aluguel.

E nuvens, lá no mata-borrão do céu

Chupavam manchas torturadas,

que sufoco!

Louco, o bêbado com chapéu-coco

Fazia irreverências mil pra noite do Brasil

Meu Brasil!

Que sonha com a volta do irmão do Henfil

Com tanta gente que partiu num rabo de foguete.

Chora a nossa pátria mãe gentil

Choram Marias e Clarisses no solo do Brasil.

Mas sei que uma dor assim pungente

Não há de ser inutilmente, a esperança

Dança na corda bamba de sombrinha

E em cada passo dessa linha pode se machucar.

Azar, a esperança equilibrista

Sabe que o show de todo artista

Tem que continuar...

A mesma música na interpretação do autor, ou do público, porque, na verdade ele pouco canta.


O BÊBADO  clique na imagem para aceder a vídeo
 
Abraços a todos.

P.T.Juvenal Santos -  ptjsantos@bol.com.br

 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário