quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Mont’Alto: memórias poéticas de Luís Amante

Foto de Luís Amante, publicada no
Penacova Actual
Mont’Alto


É para a colina que nos encima

Que corremos hoje

E a festa que ali se manifesta

Dar-nos-á prazer e recordação, depois

Levamos farnel às costas ou à cabeça

Água, vinho a granel, broa e panados

Enrolados em papel

Chouriço, febras para assar, tremoços

Bacalhau em pastel

Limonada

Laranjada

Tudo misturado com boa disposição

As moças, no caminho,

Vão “agarradas“ às saias das mães

Mas há outras que lhes fogem e ficam mais à frente

… De repente

Os rapazes aproveitam para as tentar seduzir

Elas ficam tão nervosas que só lhes dá para rir

O nosso Mont’Alto é uma romaria cristã

Centenária

O local é ermo durante quase todo o ano

Só se lhe conhece um vizinho sonhador

Chamado Aviador

Mas o Jovem não se esquece

Do tempo que ali se aquece na manifestação pagã

As toalhas à chegada são bem estendidas no chão

Mais à sombra ou mais ao sol pr’a passar a Procissão

Esta decorre alinhada logo a seguir à missa

Que por vezes é cantada pelo coro sem preguiça

As vendas são apregoadas

As fogaças leiloadas

Os donativos cumpridos

Até que o baile começa antes que ali anoiteça

E todos se vão embora

Ano, após ano, religioso ou profano

Esta vai sendo a nossa boa sina

enquanto Povo

Manter lá alto, na ermida, as tradições

Cozinhar - e regar - cá em baixo as ilusões

Porque isso nos ensina!


Luís Pais Amante
Telheiras Residence
8 Set 17, 19:30

Lembrando uma romaria popular a que ia antes de vir

para Lisboa, agora recordada pelo Prof. David Almeida, que muito estimo.

Sem comentários:

Enviar um comentário