segunda-feira, 10 de julho de 2017

Reconquinho...

Entrelaçado na/ envolvência de ti/ Rio/ Eu fico aqui em cima a/
Olhar parado/Quase paralisado/ Como se tivesse  muito /Frio/
O teu espelho continua/ Reflector/
O arvoredo circundante/ Nas tuas margens/
Está agora a iniciar/ Um longo processo de dor/ Diletante/ 
A curva da estrada do/Reconquinho/ Está mais cavada, mais/ Curvada, /
 Embora/ Reconfortante/
A Praia fluvial com/Cobertura de geada/
Canta connosco e tira /Suores ao povo/
Que se renova e ali vai/Ficando mais novo/
As formas bizarras das/Canoas/
Trazem colorido sofrido/
E a velha Barca Serrana/Alberga o pescador que/
Ali pesca boga à cana/
Tudo harmoniosamente/Colocado/Tudo estoicamente conservado
/Tudo belo/Para não dizer/Encantado!

Luís Pais Amante
Casa Paraíso, Penacova
3 Dez 16, 9h30
Olhando para o Rio
Mondego


Sem comentários:

Enviar um comentário