sexta-feira, 28 de abril de 2017

Cartas brasileiras: Cupim subterrâneo ou o quê?

A coisa aqui para o nosso lado anda feia. As notícias ruins já devem ter batido por aí. Há um clima de vergonha nacional, de revolta mesmo, todo mundo virou suspeito, uma deslavada roubalheira envolvendo grandes empresas e nomes graúdos da política brasileira.
Recorro a um texto meu para ilustrar a situação.
Um amigo levou um susto quando viu túneis compridos na parede da dispensa do apartamento, pareciam feitos de terra. Curioso e com receio - sabe lá Deus o quê seria aquilo - derrubou um pedaço do túnel aparando com uma folha de jornal. Ao firmar bem a vista pôde ver uns bichinhos brancos, que se não fossem as perninhas, diria que seriam vermes. Sentindo-se atacado, tratou de chamar um especialista, uma caça-pragas.
O entendido explicou que os bichinhos eram cupins subterrâneos, insetos que atacam componentes de madeira e outros materiais; os túneis servem como proteção contra a luz e predadores. Os loucos por madeira, ou seja, pela celulose, montam suas colônias debaixo do solo, em base árvores, sob construções, daí a dificuldade para localizá-las. Das colônias os “operários” se dispersam pela edificação e vão de um apartamento para outro, através dos espaços vazios entre tubulações e juntas dilatação. Assim, não adianta pulverizar apenas uma área atacada, isso vai apenas espantá-los, fazendo com que se fujam para outro local. É preciso encarar o problema com um mal coletivo, exige trabalho demorado e requer constante atenção.
Por que a Presidente Dilma não combate os cupins de órgãos governamentais como se combate cupim subterrâneo? São espécies parecidas, basta que se lembre: tratamento no todo, faxina geral, não adianta tentar combater os que estão no Transporte porque eles correm para a Saúde. É preciso atenção, vigilância constante; esses insetos são ávidos pelos recursos públicos, especialistas em atacá-los sem que sejam notados, comem tudo, não deixam nada. Expertos, usam todos os meios para acessar os pontos de interesse, se valem de canais de proteção, são loucos pela celulose existente no papel moeda. Mesmo com a localização de uma colônia não se pode cantar vitória, trata-se de praga resistente e disseminada. Não fossem as gravatas diria que são vermes.

P.T.Juvenal Santos – ptjsantos@bol.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário