terça-feira, 16 de agosto de 2016

Umas férias em Penacova (II): meditações de Alves Mendes

Publicámos há dias o excerto de uma crónica de Alves Mendes onde este grande vulto da cultura nacional nos falava de Penacova, da Quinta de Carrazedos e de todo o ambiente que a circunda.
O texto de hoje, mais centrado na reflexão filosófica, confirma aquilo que dissemos na postagem anterior: a sua propensão para o questionamento filosófico-teológico que viria a fazer dele um dos maiores Oradores Sagrados, reconhecido pelas mais altas instâncias culturais, literárias, políticas e sociais da segunda metade do século XIX. Um nome penacovense porventura muito mal conhecido na sua própria pátria, termo que utilizava para se referir à sua Penacova.

(…) Era numa dessas manhãs deestio, quando a natureza, adornada de todos os seus esmaltes encantadores, convidou a minha alma triste e melancólica à sua insondável contemplação.
Apenas o relógio da minha pátria [Penacova] acabava de bater com som pousado as três da manhã, já um variado e nobre canto do rouxinol ressoava majestosamente pela janela entreaberta do meu quarto. Acordei a esta melodia e um invencível impulso me agitou a aplicar-lhe mais de perto o ouvido. Oh! Misteriosa cena era a visão do firmamento! Já não era o gorjeio do rouxinol que me prendia a atenção: cousa mais nobre e sublime comovia o meu pensar.
Saio repentinamente e vou ver se, no silêncio melancólico da aurora que ia despontando,  encontro com que saciar um não sei quê de prodigioso que me embriagava os seios indecifráveis da alma.
O ar estava límpido e sereno: as estrelas raras e desmaiadas ainda esmaltavam o azul firmamento-e a lua quase a esconder na imensa superfície do oceano acabava de lançar os seus pálidos raios sobre as sombras da natureza. Toda enfim, toda essa fábrica grandiosa do universo dava o meu espírito lugar para a meditação.
Deus! Grande Deus! (dizia eu a sós comigo) concede-me que fite os olhos n’essa massa extraordinária, obra admirável do teu poder!
Deixa-me percorrer com espanto por todos esses mundos que giram no grande espaço! Deixa-me admirar a tua omnipotência!...
Mas...não, não quero tanto...assaz me contento com a terra que me sustenta! Essa só será objecto de meus pensamentos!
Terra, oh terra?! Mas que, nada fala! Tudo é silêncio, tudo mistério!...cinco horas não tem passado depois que me rodeavam tantos mortais, mas agora, agora nada vejo! Os vales, que me circundam estão sepultados no sono da eternidade, e só serras e mais serras orlam com toda a graça o oriente...
Então só eu vivo? Só eu existo?!...
Oh! sim eu! Quem sou eu! Mísero pó animado! Ludíbrio de minhas próprias reflexões! Reflicto sobre mim e que acho?! Acho sombras, acho sei que...Mas não, ainda outra vez, não sou eu só que povoo o universo, não sou eu só que existo, não...não...Este silêncio acaba, esta tranquilidade vai em pouco ter fim...os enfraquecidos membros do agrícola ainda não estão alentados: mas que disse? Pois só o agrícola vive? Não, de certo, não...
E o filósofo, o comerciante, e o...Ah! a maior parte destes estão velando certamente... esta é a hora empregada pelo sábio na meditação no seio do gabinete.... Oh! quantos, quantos estarão neste momento decifrando problemas, aprofundando mistérios, e formulando leis capazes de reger o mundo inteiro?! Quantos oh! Quantos se estarão entretendo à luz moribunda do candeeiro em pensar talvez no mesmo, do que me ocupo? Quantos oh! E quantos entregues a loucos divertimentos, a prazeres estúpidos e insípidos estarão desprezando as graças do Eterno, ou, não direi tanto, um sono seguro e tranquilo?!
Em fim é mundo! Tudo forma um contraste...uns pensam, outros dormem, uns riem, outros choram, uns mendigam outros enriquecem, uns se pervertem, outros louvam o criador...!
Então, uma vez só, para que vive o homem? Para que vivo eu? Para que existe o universo?...
Ah! Meditação, meditação, e nunca acaba a meditação...Existe o homem, existe o universo! Existe quem medite, existe em que meditar... (…)
António Alves Mendes, 1857



Sem comentários:

Enviar um comentário