domingo, 28 de outubro de 2012

Cartas Brasileiras IV: Amigo é pr'a essas coisas

 
São Paulo, 16 de outubro de 2012.
Caros penacovenses:

"Roda Vida", uma das  maravilhas compostas por Chico Buarque de Holanda, assim começa: "tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu"; realmente, há dias que sentimos ter nosso mundo desmoronado, o verso é muita vezes usado quase que como uma expressão idiomática. Surge-me, uma indagação: haveria como escrever usando apenas expressões idiomáticas?
 Bem, como quem não arrisca não petisca, sabe-se é que em dia que se acorda com os pés de fora, o melhor que se faz é ficar à  sombra da bananeira, meter a cabeça nas nuvens pensando na morte da bezerra. Não é dia para aproveitar a boleia para acertar agulhas, nem que se sinta água pela barba!

 Calma, muita calma, afinal, o primeiro milho é dos pardais,  me dizia um amigo com muitos anos a virar frangos; não me lembro do nome dele, sou mesmo uma cabeça de alho chocho.
 Um dia  ele me viu com cara de caso, tentou entrar em meus problemas com pés de lã, foi logo dizendo:

 - Amigo, sacuda a água do capote e descalce a bota! Como viver assim!
 Mandei que fosse chatear o Camões, perdi a cabeça, pondo os pés na poça, indo aos arames com ele, afinal ele me parecia ter macaquinhos no sótão, sabia que estava de trombas. Do fundo do meu coração, jamais iria pregar uma peta ao meu amigo, e também nunca fui um troca-tintas. Ele tentou acalmar-se, por estar a fazer trinta por uma linha, que não via motivos para eu trepar nas paredes,  sentia que eu estava confundindo alhos por bugalhos. E amigo, disse-me, uma ajuda ou outro.

 Pura verdade, isso me fez lembrar do conjunto MPB-4 cantando uma música que fala de amizade;  bela poesia que faz uso de diversas expressões nos versos transformados em um diálogo entre amigos. 
"Amigo é pra essas coisas" (Sílvio da Silva Junior e Aldir Blanc

                 Salve! / Como é que vai? / Amigo, há quanto tempo! / Um ano ou mais…/ Posso sentar um pouco? /Faça o favor/ A vida é um dilema/ Nem sempre vale a pena…/ Pô…/ O que é que há?/ Rosa acabou comigo/ Meu Deus, por quê?/ Nem Deus sabe o motivo/ Deus é bom/ Mas não foi bom pra mim/ Todo amor um dia chega ao fim/ Triste/ É sempre assim/ Eu desejava um trago/ Garçom, mais dois/ Não sei quando eu lhe pago/ Se vê depois/ Estou desempregado/ Você está mais velho/ É/ Vida ruim/ Você está bem disposto/ Também sofri/ Mas não se vê no rosto/ Pode ser…/ Você foi mais feliz/ Dei mais sorte com a Beatriz/ Pois é/ Pra frente é que se anda/ Você se lembra dela?/ Não/  Lhe apresentei/ Minha memória é fogo!/ E o l´argent?/ Defendo algum no jogo/ E amanhã?/ Que bom se eu morresse!/ Prá quê, rapaz?/ Talvez Rosa sofresse/ Vá atrás!/ Na morte a gente esquece/ Mas no amor a gente fica em paz/ Adeus/ Toma mais um/ Já amolei bastante/ De jeito algum!/ Muito obrigado, amigo/ Não tem de que/ Por você ter me ouvido/ Amigo é prá essas coisas/ Tá…/ Tome um cabral/ Sua amizade basta/ Pode faltar/ O apreço não tem preço, eu vivo ao Deus dará.
Em agosto desse ano, com 68 anos faleceu um dos integrantes do conjunto,  António  José Waghabi Filho, mais conhecido por Magro, compositor e arranjador, foi o criador do arranjo de vozes que unia a voz de Chico Buarque às dos quatro jovens do MPB4 (Magro, Ruy, Aquiles e Miltinho) em "Roda Viva", canção defendida por eles defendida  no III Festival de Música Popular Brasileira, da TV Record. Também é dele o arranjo vocal da gravação original de "Cálice" (Gilberto Gil/ Chico Buarque), cantado por Chico e Milton Nascimento.
 
http://www.youtube.com/watch?v=HRFw5u5wR4c (Gravação original de Roda Viva no festival)



Sem comentários:

Enviar um comentário