quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A Bela Adormecida: Oliveira Cabral e o Turismo em Penacova

"A BELA ADORMECIDA"
ARTIGO PUBLICADO NO FRONTAL
DE 16 SET 2011
A Bela Adormecida

O tema do turismo em Penacova já é antigo, como antigos são os contos de fadas. Ao longo dos últimos cem anos não faltou quem enumerasse as potencialidades do nosso concelho, quem avançasse propostas para a sua exploração enquanto fonte de riqueza, quem identificasse constrangimentos, quem apontasse culpados para o seu paradoxal atraso turístico.
Este debate passou muitas vezes pelos jornais locais e regionais. Muito se argumentou e contra-argumentou. Recordamo-nos que por volta de 1952, apareceram artigos que já falavam da velha e gasta crítica de que Penacova andava a dormir – talvez baseada numa teoria que circulava por estes lados, no sentido de se pensar que, certo dia, esta vila teria sido invadida por um "enxame" de moscas tzé-tzé, aquele " repulsivo insecto do sono" .

Em resposta a um editorial intitulado "Penacova não pode adormecer" surge uma reacção assinada por um "Zé Nicolau" defendendo que Penacova podia e devia adormecer, a par de uma outra opinião assinada por um " João Ninguém" que acrescenta: "Penacova não pode adormecer? – é conforme!". E a rematar esta troca de opiniões, surge um artigo de Oliveira Cabral garantindo que "Penacova não adormecerá".

Mas não só de críticas se alimentava a opinião pública penacovense. Já em 1932 Alípio Barbosa Coimbra defendia no artigo "Penacova e o Turismo" que para fixar os turistas havia que "cercá-lo" de comodidades, criando por exemplo um Hotel de Intercâmbio, estabelecendo "entendimentos" com os grandes hoteleiros de Coimbra e do Bussaco. Defendia também um Restaurante de Montanha na zona de Entre-Penedos e a exploração da água das Caldas. Certamente para calar outros articulistas que se limitavam a criticar o marasmo de Penacova – baseado também numa outra teoria que apontava a falta de dinamismo local aos miradouros que seriam um convite ao "quietismo do corpo e ao sonho da alma", gerando nas pessoas "o pasmo" e o "sonambulismo" de que parecia enfermarem - avança de imediato com a proposta da criação de uma Comissão de Melhoramentos. Propõe para presidente honorário Manuel Emídio da Silva e sugere depois os nomes do Dr. Sales Guedes, de José Leitão, Armando Leitão, Mário Barbosa e Dr. Alberto de Castro.

De propostas e de reparos se vai mantendo o debate. Em 1956, é ainda António dos Santos Fonseca que, também no periódico local, escreve que "os penacovenses defendem os seus interesses colectivos au ralenti", convencidos que basta ao turista ficar "todo o dia a ver dormitar o Mondego." Também pela mesma altura, será Vasco Viseu a dizer que nesta terra " falta coesão, união", existindo, pelo contrário, uma super-abundância de política anti-progressiva". António Fonseca recorda ainda a criação de uma Comissão de Melhoramentos que, nos tempos da presidência de José Albino Ferreira, sonhou com um "Hotel Regional" no Penedo do Castro e com a construção de um espaço para concertos, récitas e jogos nas proximidades do mesmo. "Lunáticos" foi o que lhes terão chamado – lamenta-se. Projectos que foram sendo alvitrados, como o caso da piscina no final dos anos quarenta. A ideia teve vários apoios, houve mesmo uma subscrição pública que recolheu algum dinheiro. Em 1953 a Comissão presidida pelo Dr. António Amaral decide avançar, anuncia-se que o Engº Rui Castro Pita iria fazer a planta e os cálculos e que as obras iam mesmo começar no dia 15 de Setembro. No entanto, o assunto morreu à nascença, tendo-se concluído que a falta de água era um motivo para desistir da ideia. Mas em 1957, segundo confidencia Oliveira Cabral, na mente de Alípio Barbosa Ribeiro, presidente da Câmara, (neto de Alípio Barbosa Coimbra) ainda estaria a construção da mesma por detrás do Café Turismo. Outra obra que ainda hoje é motivo de debate é o velho "Ténis" ou " Parque Municipal". Em 1940, com pompa e circunstância, estando presentes "distintos tenistas do Porto" foi inaugurado o campo de ténis, construído sobre uns velhos paredões que ali existiam e que eram os vestígios de um outro sonho não concretizado: a construção de um Teatro. A prática do ténis pouco sucesso terá tido e mais tarde com o forte apoio financeiro de Abel Rodrigues da Costa, este espaço passa a ser conhecido também como "Parque Municipal" e ganha outra forma.

Piscina, campo de jogos, ringue de patinagem, cinema ao ar livre, parque infantil "com espelho de água", baloiços, montanha russa, praia fluvial, são propostas feitas no editorial "O Futuro de Penacova" (1952) no sentido de atrair "gente nova". A nível geral, outros melhoramentos vinham sendo sugeridos e alguns concretizados. Em 1953 preconiza-se um Miradouro para o ponto mais alto da Serra da Abarqueira, junto do marco geodésico. Para a zona que vai de Entre-Penedos até ao Reconquinho aponta-se a criação de uma zona de pesca à linha.

Um dos grandes constrangimentos foi, a dado momento, o abastecimento de água. É que, como alguém escreveu, se os turistas ao chegar se deparam "com rajadas de poeira" e com a "desolação das plantas secas" fazem como os cucos: "ao verem os restolhos vão-se embora…".

A "nova era" sonhada com a construção do Preventório nos anos trinta, afinal, não tinha modificado muita coisa. Assim, no Notícias de Penacova (1949) surge a troca de argumentos à volta de títulos como "Penacova, a Linda?", "Penacova, a Triste?" Aí se fala duma "Penacova de Sombras em Pé", de um " marasmo esmagador", de um "piano que ninguém toca", de um "turismo em agonia" e, no meio de outras críticas, procura-se atingir o Grupo dos Amigos de Penacova e a Sociedade de Recreio e Propaganda (de que falaremos futuramente). Muito se foi fazendo mas verificamos que esta tensão ainda hoje perdura. Este sentimento de inconformismo e de procura de bodes expiatórios prevalece em muitos dos debates sobre Turismo. Na polémica que refirimos atrás, entram articulistas anónimos (um "Assinante da Vila", um "Amigo de Penacova") e Oliveira Cabral, que tal como em 1952 dá a cara e expressa a sua opinião. E também, como sempre, com o seu espírito conciliador, propõe: "Penacova, a Linda? Penacova, a triste? Como queiram, mas propomos também uma designação com a qual ninguém poderá susceptibilizar-se, porque não será fácil desmenti-la: Penacova, a Bela Adormecida! "

David Almeida
in Frontal de
 16 de Setembro

Sem comentários:

Enviar um comentário