domingo, 27 de setembro de 2015

Invasões Francesas: o povo humilde e obscuro, que, sem entender porquê, foi violentamente agredido e ultrajado.

O tema das Invasões Francesas ocupa,  por esse mundo fora, páginas e páginas dos livros de História. Batalhas, generais, heróis, vencedores e vencidos, mortos em combate... E sobre as vítimas mais humildes e ignoradas, as populações civis espoliadas, cruelmente martirizadas e assassinadas, quantas páginas se escreveram?
É enquadrada nesta interrogação que a historiadora Maria Antónia Lopes,  da Faculdade de Letras e Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra,  tem vindo a centrar as suas investigações. Entre outros trabalhos, escreveu para o 3º volume da obra O Exército Português e as Comemorações dos 200 Anos da Guerra Peninsular um capítulo intitulado  “Sofrimentos das populações na terceira invasão francesa. De Gouveia a Pombal”. Apesar de não referir casos ocorridos no nosso concelho, sabemos que também esta zona foi flagelada.
Como apontamento (porventura longo) transcrevemos de seguida algumas partes do referido estudo que nos transportam para uma realidade da qual nos chegam apenas vozes distantes e muitas vezes desfocadas...

Infografia incluida no trabalho de Maria Antónia Lopes
(...) Sabemos que as Invasões Francesas deixaram atrás de si um rasto de destruição e morte. Sabemos, também, que a terceira, em 1810-1811, foi terrível para as populações.
(...)
Segundo António José Telo, a estratégia inglesa não visou proteger as populações portuguesas e nem sequer expulsar rapidamente o invasor, mas desgastar na Península  os exércitos napoleónicos. Porque não interessava uma vitória rápida, evitaram-se as grandes batalhas e, quando estas foram inevitáveis, como a do Buçaco em 1810, os seus resultados não foram explorados. Wellesley (futuro duque de Wellington) rumou para Sul, abandonando Coimbra ao saque dos invasores, que decorreu nos dias 1, 2 e 3 deOutubro de 1810, até ser reconquistada pelas milícias comandadas pelo coronel Trant.
(...)
Detido em Torres Vedras ao longo de meses, o exército francês foi derrotado pela fome, frio, doença e desmoralização. A norte da frente de batalha ficara um país devastado e em muitas zonas deserto, pois as ordens inglesas tinham sido de evacuação total das povoações com destruição de searas, pontes, moinhos e tudo o que não pudesse ser transportado.

(...)
Em Março de 1811 os Franceses iniciaram a retirada. Desesperados pela fome, buscando mais a sobrevivência do que o combate, levaram as atrocidades ao último grau, apanhando as populações em fuga, a quem torturavam e matavam para lhes extorquir víveres. Coimbra foi poupada, pois Massena não conseguiu entrar na cidade. Conduziu então os seus homens para Espanha pela margem sul do rio Mondego, onde a carnificina prosseguiu. Nos dias 19 e 20 de Março, sem encontrar nada para comer, as tropas francesas espalhavam-se por Pinhanços, Sandomil, Penalva do Castelo, Celorico da Beira, VilaCortês, Vinhó, Gouveia, Moimenta da Serra, etc.  As populações do concelho  de Mangualde  já tinha evacuado as aldeias, no que chamaram o “3º desterro”, isto é, a fuga para os matos, onde procuraram sobreviver escondidas dos invasores. O 1º desterro tinha sido em Setembro de 1810 e o 2º em Dezembro do mesmo ano e Janeiro de 1811.
(...)
À fome e aos assassínios, e acompanhando as vagas de desalojados e de órfãos, sucederam-se as epidemias. Regressados a suas casas, as populações encontraram a destruição e os campos estéreis. A escassez de géneros tornou-se aflitiva e os preçosdispararam. Só muito lentamente a situação se normalizou. Nunca a população civil portuguesa vivera um período tão trágico.
(...)
Sintetizando as informações que lhe chegaram dos párocos, o provisor da diocese de Coimbra – vasta região, englobando o norte do actual distrito de Leiria e ainda uma pequena porção dos de Aveiro, Guarda, Viseu e Santarém – abre assim o seu relatório de Dezembro de 1811:
 “O bispado de Coimbra... [que] contém 290 paróquias, apenas contará 26 delas onde não entrasse o inimigo. O terreno de todas as outras foi por ele calcado, desde o dia 21 de Setembro de 1810 até ao meio de Março de 1811”. A miséria é geral, diz o provisor. Segundo os seus cálculos, morreram violentamente às mãos dos soldados 3.000 pessoas e em consequência da epidemia que se seguiu, teriam falecido, no mínimo, 35 mil habitantes da diocese.
(...)
O marquês de Sá da Bandeira presenciou o sofrimento das populações na
retirada das forças francesas: “Encontrámos as povoações saqueadas e desertas, e muitas casas incendiadas. Os poucos habitantes que ao caminho nos vinham encontrar, homens, mulheres e crianças, apresentavam o aspecto o mais desgraçado; famintos, cobertos de farrapos, e parecendo alguns terem perdido a razão. A presença destes infelizes indivíduos causava o maior dó. Soldados e oficiais do exército aliado procuravam socorrê-los, partilhando com eles das suas escassas rações, que eles comiam com a avidez da fome”
(...)
Um Aviso Régio de 25 de Março de 1811 mandou proceder ao registo dos estragos, incêndios e mortos provocados pela última invasão.
 (...)
Para se cumprir o Aviso, foram encarregados os párocos de elaborar relações dos prejuízos e vítimas das suas freguesias. (...) Quanto aos mortos causados pela epidemia, segundo as mesmas fontes, foram em números avassaladores. Na Figueira da Foz, onde não houve assassínios porque os invasores não passaram por lá, sucumbiram 4.135 indivíduos por doença, entre naturais e refugiados. Em Vila Verde, povoação vizinha onde também os invasores não entraram, estão assinaladas 290 vítimas da epidemia, além dos estragos causados pelos fugitivos  que se acolheram à freguesia.

Grande parte do percurso dos Franceses, à entrada, efectuou-se pela margem norte do rio Mondego, mas repare-se que a maior mortandade se encontra ao longo das estradas a sul do rio, isto é, no trajecto utilizado na retirada e, por certo, também, nas incursões efectuadas durante a imobilização nas linhas de Torres.
 (...)
Eis as palavras do prior de Pelmá:
“Não se podem numerar, nem tão pouco vir no miúdo conhecimento dos atrozes procedimentos dos bárbaros procedimentos que os inimigos cometerão nesta freguesia; e jamais poderá haver quem miudamente descreva suas atrocidades porque eles executavam quantas barbaridades lhe[s] vinham à imaginação. Sim, Excelentíssimo Senhor, o seu brutal apetite não perdoou ao sexo octogenário nem à pura inocência e, não satisfeitos desta calúnia e violência, moeram estas com pancadas, de que se tem seguido infinita mortandade. Nesta igreja nada deixaram que imagens mutiladas e degoladas; [...].Pelo que pertence aos roubos desta freguesia é incalculável o seu valor, porque, ainda quese quisesse fazer uma exacta averiguação pelos moradores, estes mesmos não saberiam dar uma exacta conta de sua perda porque levaram todos os gados de todas as qualidades:bois, bestas, porcos, cabras, ovelhas, perus e galinhas. De pão, vinho, azeite e legumes nada ficou nem vestígio. Pelo que pertence a roupas, as que lhe[s] não faziam conta rasgavam e faziam dela aos cavalos cama para que deste modo apodrecesse e os donos semnão utilizassem. Trastes de casa era com que os malvados faziam as fogueiras e aqueciam os fornos; toda a qualidade de louça a faziam mais miúda que sal [...]. Mas o procedimento que mais horroriza destes infames bárbaros, é as mortes que perpetraram nesta freguesia, que julgando este povo que lhe[s] escapava pelos bosques e fragas, não lhes escapou de trilhar a unhas de cavalo as fragas mais ásperas e esconderijos mais invadiáveis aonde apanharam quase todo o povo, aonde mataram 56 pessoas umas à bala, outros enforcados e outros a baioneta e também a espada; e os que não morreram logo, ou têm morrido ou ficaram mutilados e se acham na disposição de durarem pouco, porque além destes golpes, os deixavam nus e descalços. Entre o número de mortos foi o padre Miguel Lopes Alumbre que depois de lhe darem um sem número de picadas, lhe arrancaram as barbas, tiraram-lhe os olhos e afinal o passaram com duas balas”
(...)
Os párocos de Arganil, Vila Cova de Alva e Góis também narram as barbaridades cometidas. O primeiro descreve a morte de um colega de 76 anos: “Foi morto pelo modo o mais cruel: depois de ser atormentado cruelmente no campo, aonde foi achado, daí foi trazido com uma corda ao pescoço para sua casa, aonde depois de lhe[s] ter dado todo o dinheiro que tinha escondido em várias partes, o mataram à espada e baioneta, castrando-o sobre a cama e levando em um barrete eclesiástico as suas partes pudendas”
(...)
Foquemos agora só as mulheres, muito massacradas nesta invasão.
(...)
É possível que o recuo do exército, com a soldadesca desesperada de esgotamento e fome, tenha sido mais dramático para as mulheres. O pároco de S. Miguel de Poiares, terra invadida nas duas vezes e onde a percentagem de vítimas femininas atinge os 73%, afirma que pelo Natal de 1810, embora os invasores os tivessem colhido de surpresa, as mortes e atrocidades foram muito menores do que nos três dias que aí estiveram em Março do ano seguinte.

(...)
Como morreram estas mulheres? Os dados são escassos, mas sabemos que em Góis pereceu uma a tiro (quando fugia) e as outras “a golpe de ferro”; que em Vila Cova de Alva, Bernarda Maria, viúva de 60 anos, por ter “resistido as desonestidades que lhe queriam fazer lhe deram um tiro”; que em Arganil, Mariana Mendes, viúva, foi morta a espada e depois queimada e a Maria, casada, arrancaram-lhe a língua e mataram-na com tormentos vagarosos; e que em Nogueira do Cravo (concelho de Oliveira do Hospital) assassinaram três mulheres (sendo duas entrevadas) “com tanta barbaridade que lhes
tiraram os olhos e arrancaram a língua”
(...)
Recordemos que a fome desesperava os soldados e que as mulheres mortas eram camponesas, isto é, as guardiãs dos víveres. É bem possível que as mortes e torturas de que foram vítimas se expliquem pela sua resistência em ceder os mantimentos.
A violência contra as mulheres em tempos de guerra traduz-se sempre em crimes sexuais. Disponho de pouca informação sobre o número de vítimas de violação, a quem alguns párocos chamam cruamente “mulheres estragadas” ou, pelo contrário, de forma muito casta, “mulheres vistas”. Como veremos adiante, é assim que elas próprias se designam. Lemos já o testemunho do prior de Pelmá que, escolhendo cuidadosamente as palavras, se referiu à violação de meninas e de anciãs, mas é para os arciprestados de Sinde e Arganil que temos mais notícias. Assim, em Sarzedo (concelho de Arganil), onde foram mortas quatro mulheres (os homens foram 10), as “moças aprisionadas e estragadas” atingiram o número de 56; em Meda de Mouros (concelho de Tábua), com 13 vítimas mortais (10 homens e 3 mulheres), o pároco assinalou 43 “mulheres que foram estragadas”; em Celavisa (concelho de Arganil) a soldadesca levou consigo “15 raparigas da freguesia que voltaram estragadas”. Em três outras povoações regista-se que “foram muitas” as mulheres violadas. Afirma o pároco de Mouronho (concelho de Tábua) que os
Franceses passaram “à maneira de tempestade” e que foram as mulheres que mais sofreram com a sua violência. Em Góis, terão escapado à violação ou, então, o vigário preferiu não esclarecer o assunto: “Roubaram desta freguesia, na primeira vez que entraram, 25 mulheres e raparigas, que, indo fugindo, ficaram dentro do cerco; e todas depois de roubadas as faziam carregar com os fardos e mais coisas que furtavam, pondo-as todas descalças e com poucos vestidos, mas por misericórdia de Deus pouco tempo estiveram em poder do inimigo, algumas apenas duas horas, outras seis, e logo vieram ter a suas casas”.
(...)
Como o exército aliado vencera a batalha do Buçaco a 27 de Setembro de 1810, em Coimbra comemorou-se efusivamente. Mas Wellington decidiu rumar a Lisboa, abandonando aquela cidade, onde só na madrugada do dia 29 de Setembro se percebeu que o exército inimigo se encontrava às suas portas. Foi ordenada a total evacuação da urbe e a destruição de tudo o que não pudesse ser transportado. Em pânico, pobres e ricos, padres e freiras, velhos e novos, fugiram em direcção a Lisboa e ao porto da Figueira da Foz ou embrenharam-se por matos e pinhais, mas muitos foram capturados e violentados na estrada real. Outros, impossibilitados de caminhar por doença ou velhice ou esperançados na clemência do invasor, permaneceram e sofreram as consequências.
(...)
Igrejas, conventos, colégios, recolhimentos, câmara municipal, seminário, misericórdia, lojas, casas particulares... tudo foi saqueado.
Populações massacradas, aterrorizadas e espoliadas.
Vítimas não necessariamente heróicas, gente que nem sequer integrou as guerrilhas ou clamou pela pátria.

Apenas povo humilde e obscuro, que, sem entender porquê, foi violentamente agredido e ultrajado.

Sem comentários:

Enviar um comentário