sábado, 9 de novembro de 2013

Motim sangrento em Travanca: alguns mortos e muitos feridos foram o resultado de cena violenta

Brás Garcia de Mascarenhas, “o aventureiro, o guerreiro e o poeta”  da Beira-Serra, deixou a marca da sua faceta aguerrida também pelos nossos lados, designadamente em Travanca do Mondego. Numa recente tese de mestrado (2010) de Albano José Ribeiro de Almeida é recordado este episódio que, por sua vez, António de Vasconcelos relatou na sua obra "Brás Garcia Mascarenhas" (1921).

Escreve Albano José Ribeiro de Almeida:
(…) Ainda neste período, fins de 1640, Brás Garcia encontra-se de novo envolvido em rixas e cenas violentas, das quais se destaca a ocorrida em Travanca de Farinha Podre.
A paróquia de Travanca era de provimento alternativo da Sé Apostólica e do bispo de Coimbra. Em 1638, o Padre Pantaleão, prior desta igreja, ausentou-se da paróquia deixando-a entregue ao cura João Fernandes.
A paróquia foi, entretanto, considerada vaga, tendo sido provido outro pároco. Perante esta situação Brás Garcia acciona um processo judicial. Como a justiça eclesiástica demorava a solucionar a situação, Brás Garcia e o seu séquito resolveu-a, arrebatando da bainha a espada, no dia em que o novo pároco se preparava para um banquete, depois do qual, pela tarde, iria assumir aquele priorado, de grande interesse em réditos; caíram sobre os convivas, espadeirando-os e confundindo-os; alguns conseguem saltar pelas janelas e fugir, outros resistem, mas debalde.
Excerto do livro de banda desenhada sobre a história de  Oliveira do Hospital
com referência a Brás Garcia de Mascarenhas
Baseado em documentação produzida no contexto deste conflito, António de Vasconcelos descreve, deste modo, este motim:

“Como um furacão entram todos pela porta dentro, e de espada em punho uns, outros de cacetes erguidos, caem sobre os convivas espadeirando-os e confundindo-os. Alguns conseguem saltar pelas janelas, por baixo da mesa, rolam corpos feridos gravemente, jazem outros sem movimento.
Alguns dos convivas haviam-se escapado do presbitério para a igreja onde supuseram encontrar asilo inviolável. Faliu-lhes o cálculo. Ali mesmo foram feridos e espancados, ficando assim poluída a casa do Senhor”. [...] “Quando toda a resistência dentro de casa tinha acabado, os agressores descem ao pátio, para dali e do adro varrerem a população e a criadagem. Mas não encontraram ninguém. O pavor tinha-se apoderado de toda essa gente”....“Foi uma cena sangrenta em que foi protagonista Brás Garcia e na qual houve mortos e feridos”

Depois deste episódio violento, bem ao sabor do século XVII, o poeta aventureiro homiziou-se, mais uma vez, mas por curto período, na região de Avô; nesta situação e neste período, chega-se ao dia 1 de Dezembro de 1640, à  esperada Revolução.

ALBANO JOSÉ RIBEIRO DE ALMEIDA, BRÁS GARCIA MASCARENHAS, AVENTUREIRO, GUERREIRO E POETA,COIMBRA. FL.UC- 2010
 
 BRÁS GARCIA DE MASCARENHAS
 
Brás Garcia Mascarenhas nasceu na Vila de Avô, Oliveira do Hospital a 3 de fevereiro de 1596 e faleceu a 8 de agosto de 1656 no mesmo local. Foi estudar para Coimbra, mas teve de fugir para Madrid perseguido pela justiça por ter cometido um crime. Viajou por vários países da Europa e fixou-se algum tempo no Brasil, regressando a Portugal na altura em que D. João IV é aclamado rei. Durante a Guerra da Restauração organizou um batalhão de voluntários, a Companhia dos Leões da Beira, participou ativamente nas lutas pela independência contra o domínio filipino e, sendo acusado de alta traição, foi preso. Absolvido pelo rei devido à falsidade das acusações, termina os seus dias escrevendo a epopeia em vinte cantos e oitava rima Viriato Trágico (1699). Além desta obra, escreveu ainda Ausências Brasílicas e Labirinto do Sentimento na morte do Sereníssimo Príncipe D. Duarte, atualmente desaparecidas.
A obra que, no campo da literatura, imortalizou Brás Garcia de Mascarenhas

Sem comentários:

Enviar um comentário